Virgílio anuncia processo contra Dilma Rousseff

Líder do PSDB diz que ministra não enviou informações sobre gastos do governo ao Legislativo

Agência Senado

04 de abril de 2008 | 14h00

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio  (AM), vai ajuizar na próxima semana uma ação judicial contra a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, por crime de responsabilidade, pelo fato de a ministra não ter enviado ao Legislativo informações sobre gastos do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com cartões corporativos. Ele deu a informação em entrevista concedida ainda nesta tarde na porta do seu gabinete.  Veja Também:Tarso admite PF na investigação do vazamento de dados de FHCDilma volta à berlinda no caso dossiê FHC e cancela agenda Para 'Economist', Dilma pode ser 'bode na sala' para 2010Álvaro Dias diz que tudo foi 'armado' Dossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos Forúm: Quem ganha e quem perde com a CPI? Casa Civil faz 'caça às bruxas' para achar 'espião' do dossiê Oposição vai questionar Dilma sobre dossiê contra FHC em comissão Garibaldi lerá pedido que cria CPI no Senado   "Vamos instaurar contra ela processo por crime de responsabilidade. Porque a ministra Dilma, em resposta a um dos requerimentos meus, dos quarenta e cinco que fiz insistindo nessa historia de abertura de gastos, de suprimentos para cartões corporativos, me respondeu dizendo que estava coletando uns dados e que me mandaria esses dados. Ela diz que os coletou, mas não os mandou. Logo, ela desrespeitou a decisão aprovada pela Mesa do Senado, desrespeitou um senador e isso não tem outro sinônimo. O único sinônimo possível para isso é crime de responsabilidade". O líder disse que as novas informações publicadas pela Folha de S. Paulo, segundo as quais o dossiê contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso saiu pronto do Planalto, "tornam inevitável" a presença da ministra ao Congresso. "Mentira tem perna curta e ela (Dilma) virou uma menor de idade a ser protegida por todos", disse o líder.  Na avaliação de Virgílio, a ministra será convocada pela CPI exclusiva do Senado, cujo requerimento de criação será lido na próxima terça-feira, de acordo com compromisso acertado na última quinta pelo presidente da Casa, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), com a oposição.  O líder tucano disse que Dilma Rousseff tem que prestar contas, e que a tentativa do Planalto de crucificar o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) como o autor do vazamento do dossiê não durou 24 horas. "O dossiê foi feito para intimidar a oposição, ela mesmo se encurralou", afirmou. "Me espanta também a pressa como a Polícia Federal disse que a montagem do dossiê não era caso de polícia", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Cartões corporativosCPI dos cartões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.