Violência sexual no Brasil está entre as maiores, diz ONU

As mulheres latinas, particularmente as brasileiras e argentinas, estão entre as mais expostas a crimes sexuais no mundo. A informação faz parte do resumo do relatório O Estado das Cidades do Mundo: 2004-05, divulgado nesta terça-feira, pela ONU (Organização das Nações Unidas). O documento completo será lançado durante o Fórum Mundial Urbano, que está sendo realizado na cidade de Barcelona, na Espanha.Ainda de acordo com o que já foi divulgado, as cidades latino-americanas têm a maiores taxas de violência sexual. A taxa média das cidades da região está em torno de 5%, enquanto a taxa média nas cidades africanas é de 2,4% e da cidades asiáticas é de 1,6%. Dos crimes sexuais registrados na América Latina, cerca de 70% dos casos de violência sexual são estupros, tentativas de estupro e outras agressões sexuais. O relatório critica a legislação brasileira, que considera o crime de violência doméstica penalmente mais leve do que uma briga na rua.O documento também diz que os agressores são rapidamente soltos no Brasil e retornam às suas casas "somente para ameaçar a vítima para que não o denuncie novamente". A recomendação é de que o Brasil dê mais poder às mulheres, promovendo a prevenção e a redução de sua exclusão social.Atuação da políciaA América Latina também possui os níveis mais baixos de pessoas que estão satisfeitas com a atuação da polícia. De acordo com a Pesquisa Internacional de Vítimas de Crimes, 70% da população está insatisfeita.O documento diz que os policiais latinos são os que aparentam ter o maior envolvimento com subornos.O relatório também destaca os índices de criminalidade no Brasil, que cresceram muito nos últimos anos. Entre os quase 30 mil homicídios registrados, a maioria está ligada ao uso ou tráfico de drogas. A venda de drogas emprega cerca de 20 mil crianças ou jovens. Um "avião" (vendedor de drogas) ganha freqüentemente mais do que seus próprios pais.ConfiançaA América Latina também registra os índices mais baixos de confiança da população em pessoas e em instituições. Entre 1996 e 2003, a situação vem piorando em relação à confiança nas instituições públicas. Os níveis de confiança vêm caindo gradualmente nesse período, de acordo com os dados coletados e apresentados no relatório.O Estado das Cidades do Mundo tem como objetivo analisar o impacto da globalização nos países, fazendo um retrato da sociedade tanto do lado econômico como cultural. A idéia é fazer com que os dados apresentados no relatório sirvam como base para projetos que ajudem aos países cumprem as Metas do Milênio, desenvolvidas pela ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.