Violação de sigilo não tem caráter político, diz Dilma

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, disse na tarde de hoje, em Salvador, não acreditar que o vazamento de dados fiscais do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, e outras pessoas ligadas ao comando do partido tenham motivação política. "Pelo que eu li, tudo indica que é um grande esquema de corrupção", afirmou. "Parece que (o esquema) envolve 140 nomes, visivelmente sem caráter político."

TIAGO DÉCIMO, Agência Estado

27 de agosto de 2010 | 17h19

Dilma voltou a alegar que o uso político das quebras de sigilos fiscais, adotado pela oposição, é "tentativa de construir um factóide" e "uma tentativa um pouco desesperada" de seus adversários. Hoje, o corregedor-geral da Receita Federal, Antonio Carlos Costa d''Ávila, informou que o órgão identificou um suposto esquema de compra e venda de informações fiscais. Segundo ele, o esquema envolvia pagamento de propina e encomenda externa.

Antes de embarcar para Recife, onde participará de um comício à noite, a presidenciável também criticou a falta de opções de fontes de financiamento privado para grandes obras no País. "Hoje, se alguém quiser fazer financiamento para hidrelétrica ou termelétrica, a única fonte é o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) ", afirmou.

"Acho que é importantíssimo que o sistema financeiro privado do Brasil participe dos financiamentos de longo prazo, mas acho que, havendo queda da dívida interna - que está em trajetória de queda - vai ser possível um crescimento da economia que faça com que os juros caiam", avaliou Dilma. "Quando os juros caírem, acho que o sistema financeiro privado vai priorizar o investimento produtivo e o investimento em infraestrutura."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.