Vigilância investiga outro medicamento suspeito em Recife

A Vigilância Sanitária de Pernambuco está investigando um outro medicamento produzido pelo laboratório cearense Farmace, suspeito de ter provocado intoxicação em 13 pessoas que se encontravam internadas no Hospital Regional de Caruaru, no agreste, em março. O produto é uma solução injetável de metronizadol a 0,5%, utilizada na prevenção e tratamento de doenças infecciosas pós-cirurgias. Exames de duas amostras do medicamento realizados pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) revelaram a presença de endotoxina bacteriana em quantidades acima do permitido. Foi encontrada 0,4 unidades por mililitro, quando o limite é 0,35.Os pacientes tiveram tremores e calafrios e o metronizadol foi o único medicamento comum a todos eles. Esta solução, assim como todos os parenterais de grande volume fabricados pelo Farmace, está suspensa desde o dia 22 de março, depois que o soro Ringer Lactato, do mesmo laboratório, ter sido interditado em todo o País no mesmo mês, suspeito de ter provocado a morte de oito pacientes da Casa de Saúde Santa Efigênia, também em Caruaru. O caso do Ringer Lactato ainda está sendo investigado por uma equipe do Centro Nacional de Epidemiologia (Cenepe), uma equipe médica nomeada pela secretaria estadual de Saúde e técnicos do Centro de Controle de Doenças (CDC), de Atlanta, Estados Unidos.A descoberta dessa nova suspeita decorreu da iniciativa da vigilância sanitária estadual - depois da suspeita do Ringer Lactato - de solicitar a todos os hospitais do Estado a notificação de qualquer reação adversa provocada por suspeita de medicamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.