Viegas diz não crer que falta de recurso causou acidente

O ministro da Defesa, José Viegas, disse nesta segunda-feira não acreditar que o acidente na Base Aérea de Alcântara, que matou 21 pessoas, possa ter sido provocado por falta de recursos, como sugeriramtanto o ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, quanto o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Luiz Bevilácqua. O ministro disse também que "não há indícios de sabotagem" na explosão, ressalvando que todas as causas possíveis estão sendo analisadas."Eu não tenho e ninguém tem nenhum elemento que possa vincular oacidente ocorrido à escassez de recursos", declarou Viegas, em umacrítica velada ao ministro Amaral e ao presidente da AEB, negando,porém, que haja descompasso entre o discurso dos três. Segundo Viegas, os recursos para o programa espacial eram "suficientes" para que ele fosse conduzido em segurança. "Nós ainda não temos condições de determinar que falha ocorreu, qual a razão do acidente, e é absolutamente precipitado dizer que ela decorre de insuficiência de recursos", ressaltou Viegas. Ele acentuou que mesmo as pessoas envolvidas com a missão não alertaram que os recursos do programa poderiam comprometer a segurança do projeto. Mesmo sem querer especular sobre o que pode ter provocado o acidente, Viegas informou que "as possibilidades maiores são de que tenha havido alguma descarga elétrica" que provocou a ignição prematura de um dos motores do foguete. "Houve uma ignição que levou a uma explosão do combustível. Nós não sabemos qual a causa dessa ignição prematura e aí está o cerne das investigações", disse o ministro. Viegas assegurou que as operações que estavam sendo realizadas em Alcântara no momento do acidente eram "de rotina" e nenhuma delas pode ser classificada como de rirsco. "Não havia nenhuma equipe trabalhando no depósito de combustível, nem com combustível, nem com a ignição, nem a equipe de propulsão estava presente, nem a equipe de pirotécnica, que é a encarregada de fazer com que os circuitos sejam acionados no momento correto. E os circuitos elétricos que alimentam os combustíveis estavam todos desligados e com os seus seguros funcionando."Hipóteses levantadas nos últimos dias, segundo as quais o fogueteteria problemas, foram afastadas pelo ministro. "A informação que tenho é contrária a essa. É de que os trabalhos estavam andando normalmente e de que não havia nenhum indício de que poderia haver um acidente." Viegas garantiu que o programa espacial vai prosseguir. ?Mas é natural, é inevitável que haja um atraso porque houve perda humanas, além das perdas materiais?, disse ele.Segundo o ministro, duas investigações estão sendo realizadas paraapurar o que ocorreu. O brigadeiro José Monteiro, do Departamento de Ensino e Pesquisa da Aeronáutica, vai coordenar uma investigaçãotécnica, que terá 30 dias, prorrogáveis por mais 30, para paraidentificar as causas do acidente. Paralelamente, um Inquérito PolicialMilitar (IPM), presidido pelo coronel Antônio Carlos Cerri terá prazode 40 dias para apurar as responsabilidades pelo acidente, inclusive do ponto de vista legal. Viegas não soube quantificar os recursos que o programa espacial terá em 2004, alegando que o orçamento ainda está sendo fechado. Também não falou sobre indenizações das vítimas, observando que o assunto está sendo discutido. Garantiu, proém, que as famílias dos mortos terão todo o apoio necessário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.