Vídeo mostra momento exato do ataque à produtora do Porta dos Fundos

Imagens cedidas pela Polícia Civil são do circuito interno do local; uma explosão, seguida de fortes labaredas, assusta um dos seguranças, que corre para apagar o fogo

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

02 de janeiro de 2020 | 15h57

RIO  - Um vídeo do circuito interno de monitoramento da produtora do Porta dos Fundos mostra o momento exato em que coquetéis molotov são lançados contra o prédio, que fica no Humaitá, na zona sul do Rio, no fim da madrugada do dia 24 de dezembro. As imagens mostram a ação de um segurança da produtora, que apaga as chamas com o auxílio de um extintor.

As imagens mostram que a ação aconteceu às 5h21 da madrugada. Uma explosão, seguida por fortes labaredas, podem ser vistas na porta que dá acesso à produtora. O segurança chega instantes depois e, após o susto, retorna com um extintor para apagar o princípio de incêndio. Pelas imagens é possível também ver o funcionário tentando contato por telefone.

No último dia do ano, a Polícia Civil do Rio realizou buscas em quatro endereços ligados a Eduardo Falzi Richard Cerquise, de 41 anos. Ele é o primeiro dos cinco suspeitos do ataque a ser identificado. Falzi não foi encontrado e é considerado foragido. Nesta quarta, 1º, ele disse que os humoristas do grupo são “intolerantes” e pediu aos internautas que rezem por ele. As afirmações foram feitas em vídeo divulgado nas redes sociais. Também nesta quarta, o Disque-Denúncia da Polícia do Rio de Janeiro divulgou um cartaz em que oferece R$ 2 mil por informações que levem à prisão de Cerquise. 

Além de classificar os humoristas como “intolerantes”, o suspeito do ataque afirmou que “quando o Porta dos Fundos escarnece do nome de nosso senhor Jesus Cristo ele pisa na esperança de milhões de pessoas que só têm Jesus Cristo como riqueza”. Ele também declarou que “quem fala mal do nome de Cristo prega contra o povo brasileiro”. “Esse é um crime de lesa-pátria. Eles são criminosos, são marginais, são bandidos”, afirmou Cerquise.

Passagem por agressão

A polícia identificou Cerquise como um dos responsáveis pela tentativa de incêndio anteontem, após análise das câmeras de segurança da produtora.  Filiado ao PSL-RJ desde 2001, de acordo com o Tribunal Superior Eleitorial, ele  tem 20 passagens pela polícia, a maioria por casos de agressão e lesão corporal.

Em 2013 Cerquise  chegou a ser preso por dar um soco no então secretário municipal de Ordem Pública do Rio, Alex Costa, quando ele concedia entrevista à TV Globo. Na ocasião, Cerquise trabalhava em um estacionamento irregular no Centro que havia acabado de ser fechado em uma operação da Guarda Municipal.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.