'Vídeo comprova que esquema existia no governo Roriz', diz defesa de Arruda

Segundo Cristiano Maronna, vídeo 'reforça a tese de que Arruda tentou acabar' com o esquema

Leandro Colon, de O Estado de S.Paulo,

04 de março de 2011 | 16h33

BRASÍLIA - A defesa do ex-governador José Roberto Arruda manifestou-se sobre a revelação de vídeo, pelo portal do Estadão.com.br, nesta sexta-feira, 4, que mostra a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) recebendo um maço de dinheiro do ex-secretário Relações Institucionais do DF, Durval Barbosa. "O vídeo da Jaqueline comprova que o esquema de corrupção do qual Durval fazia parte existia no governo Roriz", disse o advogado Cristiano Maronna, que defende Arruda no inquérito que corre no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

 

Veja Também:

linkVídeo mostra deputada Jaqueline Roriz recebendo dinheiro do mensalão

video Arruda recebe R$ 50 mil de Durval Barbosa

video Presidente da Câmara guarda dinheiro na meia

video Deputados oram, 'sabemos que somos falhos'

video Deputada com propina: 'Governador perdeu as estribeiras?'

 

Segundo ele, o vídeo "reforça a tese de que Arruda tentou acabar com ele [esquema], mas foi derrubado pelos interessados na sua manutenção". O vídeo com as imagens de Jaqueline foi gravado na campanha eleitoral de 2006, na sala de Barbosa, delator do escândalo de corrupção conhecido como "mensalão do DEM". O esquema foi desmantelado pela operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, e acabou derrubando José Roberto Arruda do governo do DF.

 

O vídeo, o 31º da chamada "coleção da corrupção no DF", mostra Jaqueline e o marido, Manoel Neto, recebendo e colocando um maço de R$ 50 mil numa mochila, reclamando que o valor estava abaixo do combinado e negociando novas contribuições para a campanha de Jaqueline, que se elegeu deputada distrital naquele ano. "Rapaz, não é fácil ser candidato. Resolve isso para mim cara!", apela Neto, ao ser avisado de que a quantia ficaria entre três e cinco remessas e não seis, como combinado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.