Vida de Lula pode parar na Sapucaí

A Portela, tradicional escola de samba do Rio, poderá levar à avenida no próximo carnaval a trajetória de vida do presidente Lula. O presidente da agremiação, Nilo Figueiredo, vai se decidir nas próximas semanas. "Seria uma grande honra, mas fica muito mais difícil conseguir patrocínio",afirmou. "Se ele é o enredo, os recursos federais ficam impedidos de chegar à Portela."Ele contou que foi "sondado" sobre o assunto, mas não revela por quem. Figueiredo conheceu Lula em 2004, quando a Portela preparava um desfile sobre as oito metas do milênio - que rendeu, em 2005, o penúltimo lugar no grupo de elite carioca. "Lula foi o primeiro presidente da República a visitar uma quadra de escola de samba. Se eu fizer, será tratando do homem, não do governo."O enredo seria baseado no livro Lula, O Filho do Brasil, de Denise Paraná, jornalista e historiadora. A obra enfoca os anos anteriores à entrada na política (vai da infância em Pernambuco à morte da mãe, quando ele se encontrava preso por liderar greves), serviu de base ao roteiro do longa-metragem homônimo, de Fábio Barreto, cujas filmagens já foram encerradas.Denise não sabia da possibilidade de o livro ser usado pela Portela, mas acredita que a vida de Lula renderia "muitos enredos". "A parte política já foi bastante coberta pela imprensa. O mais interessante é a história de vida: maravilhosa." A pobreza no sertão, a relação dura com o pai, o vínculo com a mãe, a chegada a São Paulo, o trabalho, a vida sindical e a perda da primeira mulher, no parto, são algumas das passagens que poderão ser mostradas pelos carnavalescos Alex Oliveira e Amauri Santos.Política e carnaval se misturam há décadas, mas parece não trazer sorte. Em 2000, a Portela saiu com o enredo Trabalhadores do Brasil - A época de Getúlio Vargas e ficou em 10º lugar (de 14 escolas). Getúlio já havia sido homenageado pela Mangueira, em 1956 (terceiro lugar), e pelo Salgueiro, em 1985 (sexto lugar). Em 90, a Unidos do Cabuçu perguntou Será que votei certo para presidente? Chegou em último.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.