PABLO VALADARES|AE
PABLO VALADARES|AE

Vice-presidente do TCU deixa relatoria de processo de interesse de empreiteira

Raimundo Carreiro afastou-se de procedimento que acompanhava negociação de acordo de leniência entre o governo e a UTC; ministro é investigado no STF por suspeita de receber propina da mesma empreiteira

O ESTADO DE S.PAULO

12 de fevereiro de 2016 | 19h51

BRASÍLIA - O ministro Raimundo Carreiro, vice-presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), deixou na quinta-feira, 11, a relatoria do processo que tem como objetivo firmar um acordo de leniência entre o governo e a UTC, uma das empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato.

Carreiro é investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de ter recebido propina do dono da construtora, Ricardo Pessoa. o ministro nega a acusação, mas decidiu se declarar impedido após a informação de que ele era o relator vir a público, já que o processo corre sob sigilo. A notícia foi publicada pelo jornal O Globo.

Em delação premiada, Pessoa afirmou que pagava R$ 50 mil por mês ao advogado Tiago Cedraz, filho do presidente do TCU, Aroldo Cedraz, para ter acesso a informações privilegiadas do órgão. Na época, Carreiro era o relator de uma das obras que mais interessava ao empresário: a usina nuclear Angra 3. Em seu depoimento, o empreiteiro disse ainda que deu R$ 1 milhão para Tiago Cedraz e disse acreditar que essa quantia seria repassada para Carreiro.

Com a saída de Carreiro, o TCU vai ter de sortear outro relator para o processo, o que deve acontecer já na próxima semana. Assim como outras empreiteiras investigadas no esquema de corrupção da Petrobras, a UTC fez uma proposta de acordo de leniência ao governo para poder continuar tocando obras federais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.