Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Vice-presidente do Rural culpa morto por 'mensalão'

Em depoimento no processo do mensalão, o vice-presidente do Banco Rural, José Roberto Salgado, responsabilizou hoje o ex-vice-presidente da instituição financeira José Augusto Dumont - que morreu em abril de 2004 - pela concessão dos empréstimos repassados ao PT pelas empresas do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza. A estratégia de atribuir a dirigentes mortos, principalmente Dumont, a responsabilidade pelos financiamentos e eventuais crimes financeiros cometidos pelo banco nas operações com as empresas ligadas a Valério também foi adotada pela presidente do Rural, Kátia Rabello, em testemunho prestado no fim de janeiro.Último réu a ser interrogado hoje pelo juiz federal Alexandre Buck Medrado Sampaio, da 4ª Vara Criminal, Salgado iniciou o depoimento afirmando que só participou de uma reunião do comitê de crédito da instituição. Ele afirmou que integrou o comitê para cumprir quórum na análise de uma operação envolvendo a Grafitti Participações. Salgado disse que acompanhou o voto do diretor de Crédito, pela concessão, mas com a exigência de outras ou mais garantias. Porém, conforme o vice-presidente do Banco Rural, o empréstimo foi aprovado nos termos requeridos pela Grafitti, por decisão do vice-presidente do banco. "O dr. José Augusto era o banqueiro, era ele quem centralizava todas as operações", afirmou. "A dra. Kátia, apesar de ser a presidente do banco, não tinha qualquer função executiva." De acordo com Salgado, ela tinha assumido a instituição e estava "em fase de aprendizado". "Ela confiava muito no que o dr. José Augusto fazia."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.