Vice-presidente do PT chama de 'celeuma' repercussão sobre fundo partidário

Deputado José Guimarães lembrou que presidente decretou proposta aprovada no Congresso por unanimidade, com apoio da oposição e da base

Nivaldo Souza, O Estado de S. Paulo

21 Abril 2015 | 19h59

Brasília - O vice-presidente do PT, deputado José Guimarães (CE), disse ao Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado que há uma "celeuma" na repercussão da sanção da presidente Dilma Rousseff ao aumento de recursos do fundo partidário de R$ 289,5 milhões para R$ 867,5 milhões. Segundo ele, a sanção ocorreu como parte do Orçamento de 2015 e não como peça aprovada separadamente. "Acho que a presidente sancionou o Orçamento e não se pode se criar celeuma de que ela aprovou o fundo (separadamente)", disse.

Guimarães lembrou que Dilma sancionou o aumento do fundo partidário após ter sido aprovado pelo Congresso com apoio da oposição e da base governista. "Como querem que a presidente vetasse o que o Congresso votou por unanimidade?", questionou.

O vice-presidente do PT, que também é líder do governo na Câmara dos Deputados, disse que não acredita em reação negativa da base caso Dilma faça contingenciamento do repasse maior ao fundo partidário, como parte do ajuste fiscal.

Guimarães sugeriu, contudo, que o foco da contenção orçamentária deveria ocorrer sobre despesas operacionais do governo. "O contingenciamento tem de ser em custos da máquina pública", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.