Vice-premiê diz que Reino Unido quer 'relação do século 19' com Brasil

No Rio de Janeiro, Nick Clegg assinou parcerias, visitou UPP e participou de conferência sobre os Jogos Olímpicos.

Júlia Dias Carneiro, BBC

22 de junho de 2011 | 16h51

Em visita ao Rio de Janeiro nesta quarta-feira, o vice-primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Nick Clegg, disse que as relações de seu país com o Brasil não são tão fortes quanto deveriam e que quer "voltar ao século 19 para recuperar as bases de uma relação mais sólida".

"Tínhamos uma relação política e econômica muito forte no século 19 e depois isso esmaeceu um pouco. Então quero olhar um pouco para trás para construir uma parceria forte para o século 21", disse à imprensa enquanto visitava o Morro dos Prazeres, favela em Santa Teresa, no Centro do Rio.

Na sede da Petrobras, Clegg defendeu parcerias entre os dois países na exploração do petróleo, participou do lançamento de um convênio com o Estado do Rio para promover a economia "verde", que respeita o meio ambiente; assinou uma proposta para trazer para a favela dos Prazeres um projeto de inclusão social para jovens por meio do futebol e participou do anúncio da construção de uma fábrica da Rolls Royce em Santa Cruz, na zona oeste do Rio.

A Rolls Royce investirá US$ 60 milhões na construção da fábrica. Com inauguração prevista para o terceiro trimestre de 2012, ela produzirá turbinas geradoras para alimentar a indústria do petróleo no Brasil, de olho na demanda do pré-sal, e poderá fabricar componentes para exportação no futuro.

'Comunidades seguras'

No Morro dos Prazeres, Clegg foi apresentado a uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) pelo secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. Ele não poupou elogios ao projeto e à "coragem" de Beltrame e demais membros do governo que o conduziram. "Tem sido um privilégio ver o quão corajoso eles têm sido para fazer algo que muitos achavam impossível, que é tornar essas comunidades seguras, enchê-las de esperança e garantir-lhes uma sensação real de potencial futuro", disse.

Na véspera, durante sua passagem por Brasília, Clegg, defendeu que o Conselho de Segurança da ONU seja reformado e que o Brasil ganhe um assento permanente no órgão.

Ainda nesta quarta-feira, no Rio, ele participou uma conferência sobre o legado e a sustentabilidade dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. No evento, autoridades britânicas falaram da experiência que ganharam na preparação dos Jogos de Londres de 2012.

Ele disse que a Olimpíada não deve ser pensada em função do evento em si, e sim das oportunidades que traz. E ressaltou que o Rio, sede dos jogos em 2016, tem uma variedade "estonteante" de eventos esportivos para os próximos anos.

"Vocês realmente serão o palco do planeta durante os próximos anos. Todos os olhos e ouvidos do mundo estarão focados em vocês."

A visita de Clegg tem o objetivo de ampliar a cooperação do Reino Unido com o Brasil em várias áreas e é vista como uma "ofensiva" do governo britânico em países que considera as estrelas das próximas décadas, como delineou o ministro do Exterior britânico, William Hague.

Na comitiva britânica estão ministros das áreas de Esporte, Cultura, Comércio e Educação.

Também vieram ao Brasil representantes de universidades britânicas, já que temas ligados à educação também entraram na agenda do vice-premiê com autoridades brasileiras.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.