Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Vice-líder do governo diz que vai propor volta de doação empresarial

A apenas cinco dias do prazo para mudanças na legislação eleitoral, Beto Mansur disse que vai apresentar projeto para regularizar recursos empresariais

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2017 | 18h28

BRASÍLIA - Faltando apenas cinco dias para acabar o prazo para mudanças na legislação eleitoral, o deputado Beto Mansur (PRB-SP) ainda não desistiu de conseguir aprovar a volta do financiamento privado de campanha. Vice-líder do governo e próximo ao presidente Michel Temer, Mansur disse que vai apresentar um projeto nesta terça-feira, 3, para regularizar a doação de empresas para as eleições de 2018.

+++ Atrasada, reforma política já deixa 13 itens pelo caminho

O deputado afirmou que se debruçou nos últimos dias sobre os votos de cada ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e encontrou brechas no julgamento que proibiu o financiamento privado em 2015.

Para ele, há espaço para que o tema seja discutido esta semana via projeto de lei e não necessariamente através de uma Proposta de Emenda à Constituição. Pelo entendimento atual, como as doações de empresa foram consideradas inconstitucionais pela Corte, somente uma PEC poderia regularizar a situação.

+++ Maioria do STF se mantém contra doação empresarial

Mansur afirma também que, com o debate do projeto na Câmara, o Senado poderia ser pressionado a aprovar a PEC que tramita na Casa e já foi votada pela Câmara.

+++ REFORMA POLÍTICA: A cada eleição, Brasil tem novas regras

Não há, no entanto, nenhum sinal de que os senadores irão retomar este assunto. Na semana passada, o Senado aprovou a criação de um fundo público de campanha de R$ 1,7 bilhão. O projeto, no entanto, ainda não foi votado na Câmara, onde os deputados tentam entrar em um acordo sobre a proposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.