Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

'Vice é até interessante', diz Meirelles sobre candidatura

Ministro da Fazenda afirma que já foi convidado para concorrer ao cargo em 2010 e em 2014 durante evento promovido por empresa criada por Doria

André Ítalo Rocha e Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2017 | 15h22

Atualização às 18h49

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta tarde de segunda-feira, 30, que considera "interessante" a possibilidade de ser candidato a vice-presidente da República em 2018. "Sou candidato a fazer um bom trabalho na Fazenda, a consolidar a trajetória de crescimento da economia. É o que todo cidadão tem de fazer, ficar concentrado no seu trabalho, cumprindo bem a missão atribuída naquele momento. Nunca trabalhei com hipóteses na minha carreira", afirmou após ser questionado sobre a possibilidade de ser candidato a presidente. Em seguida, emendou: "Vice é até interessante, fui convidado para isso pelo presidente da República em 2010 e depois em 2014", disse, sem dar mais detalhes, durante evento em São Paulo. Minutos depois, Meirelles disse que a frase era uma "brincadeira".

+++ ANÁLISE: Até os móveis do ministério sabem que Meirelles deseja ser candidato

"Foi uma mera brincadeira que eu fiz", disse ele, ressaltando que foi convidado a ser vice pelo tucano Aécio Neves (MG) em 2014 e pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2010, para ser vice na chapa de Dilma Rousseff. Ao ser questionado se aceita ser candidato a vice-presidente caso seja convidado em 2018, Meirelles afirmou: "Não acredito que seja algo que tenha grande interesse da minha parte." 

À tarde, Meirelles também negou que tenha sido procurado para compor uma chapa presidencial com o apresentador de televisão Luciano Huck, na condição de vice. “Não conversei com ninguém”, garantiu o ministro, em entrevista coletiva, após ter participado de evento da FecomercioSP.

Coluna do Estadão publicou que a mais recente especulação em torno de Luciano Huck para eleição presidencial de 2018 seria uma chapa encabeçada pelo apresentador e tendo Meirelles como vice. Interlocutores do PSD, partido do ministro da Fazenda, brincam respondendo que só se inverterem a chapa.

+++ Contra Lula, mercado já fala até em Jair Bolsonaro

No evento em São Paulo, sobre economia, ele afirmou que os gastos do governo com a Previdência podem a chegar a 80% do total, caso a reforma proposta pela equipe econômica não seja aprovada pelo Congresso Nacional. "Não sobra dinheiro para nada", calculou o ministro.

+++ PSD convida Meirelles para disputar Presidência em 2018

Meirelles disse ainda que o excesso de gastos públicos pode quebrar um País. No entanto, disse que o crescimento das despesas discricionárias nos últimos anos já foi revertido, ao citar a aprovação da chamada PEC do Teto, que limita o crescimento dos gastos públicos à inflação do ano anterior.

+++ Aliados de Temer minam pretensão de Meirelles por 2018

Além disso, Meirelles recebeu o pedido de empresários presentes no evento para "esquecer o projeto de reoneração da folha", porque a indústria já se adaptou a essa realidade. O ministro afirmou que o governo tem recebido diversas reivindicações, que empresários que querem menos tributação, de pessoas que querem aposentadoria mais cedo, de parte da população que quer manter benefícios sociais. "Tudo isso é legítimo, mas temos que ter equilíbrio na sociedade", disse ele.

+++ Marina se isola e Rede vive nova crise interna

As declarações foram dadas em São Paulo, durante almoço promovido pelo Lide, grupo de líderes empresariais criado pelo prefeito João Doria (PSDB), que também estava presente. O ministro foi convidado para dar palestra sobre a situação da economia brasileira. 

+++ Novo converge para candidatura de ex-banqueiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.