Vice do PSB defende candidatura de Campos em 2014

O vice-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, defendeu ontem, durante reunião do partido em Teresina, o nome do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, para disputar as eleições presidenciais de 2014. "O governador de Pernambuco é o que está mais preparado pra isso. Se ele aceitar a missão, estaremos prontos para apoiá-lo. Esse é o caminho mais viável para 2014", afirmou.

AE, Agência Estado

14 de março de 2013 | 08h25

O governador do Piauí, Wilson Martins (PSB), confirmou a mesma tese, mas foi mais cauteloso. "Todo partido almeja chegar ao poder. Existem possibilidades de termos candidato. O nome do Eduardo Campos é bem aceito e gera uma esperança. Mas vamos tratar de eleição em 2014", ponderou.

Articulador. Já Roberto Amaral disse que se a candidatura for oficializada, Wilson Martins será um articulador da campanha.

"Torcemos sempre para que o partido chegue ao poder. Eduardo Campos é bastante preparado", insistiu Amaral.

Quando se falou no PSB deixar os cargos e os ministérios no governo Dilma Rousseff, Roberto Amaral reagiu: "Por que faríamos isso? Somos da base do governo. Ajudamos a eleger a presidente Dilma e, antes, o presidente Lula. Continuamos apoiando o governo. Não tem porque sair", afirmou Amaral.

Segundo Wilson Martins, Roberto Amaral é uma das cabeças pensantes do PSB e conhece bem sociologia, socialismo e o capitalismo brasileiro, com diversos artigos e livros publicados sobre o assunto. Ele já foi ministro de Estado e estava no Piauí para participar do evento do PSB e lançar livros de sua autoria.O governador ainda comentou que o PSB do Piauí foi o que mais elegeu mulheres prefeitas de todos os Estados brasileiros.

Enquanto opera nos bastidores, o governador de Pernambuco segue despistando publicamente suas intenções de concorrer ao Palácio do Planalto no ano que vem. Indagado ontem sobre suas movimentações eleitorais, ele respondeu: "2014 a gente discute em 2014. Nem ganhamos em 2012 ainda, estamos terminando as tarefas de 2012 ainda, como é que nós vamos colocar o Brasil em um debate em 2014? Acho que é hora de 2013 pautar o que una os brasileiros, é hora de enfrentar a pauta densa que tem sobre a mesa nacional", afirmou Campos.

E finalizou com um recado: "Quem quiser discutir 2014 que fique bem à vontade, nós vamos discutir 2013 para também ganhar 2014". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
PSBcandidaturaCampos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.