Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Vice de Paulinho diz que Chalita ou Haddad seriam bons prefeitos

Candidato afirma que erro de Kassab foi 'prometer', mas admite ter votado nele e não está arrependido

Cristiane Salgado Nunes - O Estado de S. Paulo,

04 de setembro de 2012 | 16h48

Em entrevista para a TV Estadão, nesta terça-feira, 4, Joaquim Grava, vice de Paulinho da Força (PDT), afirmou que o grande erro do prefeito Gilberto Kassab foi "prometer", mas admitiu ter votado nele nas últimas eleições e não estar arrependido. "Kassab prometeu construir 3 hospitais e não fez nenhum. Isso é um engodo, é vergonhoso". O candidato a vice ainda disse que, caso Paulinho da Força não seja eleito, acredita que Gabriel Chalita (PMDB) ou Fernando Haddad seriam bons prefeitos para a capital paulista.

O vice de Paulinho atacou Celso Russomanno (PRB) e disse não considerar o candidato como um "fenômeno" nas eleições por sua liderança nas pesquisas: "Não gosto desse rapaz e fenômeno só conheço um: Ronaldo. Ele não me parece verdadeiro quando fala e o seu partido é lamentável". Grava relembrou o episódio da morte da mulher de Russomanno e afirmou que ele se aproveitou disso para aparecer na televisão. "Mas o povo brasileiro esquece rápido", comentou. Sobre José Serra (PSDB), Grava avaliou o tucano como um bom prefeito, mas desaprovou sua candidatura: "Acho que uma hora tem que parar".

O candidato também criticou o ex-presidente Lula a respeito de sua atuação como padrinho político de Haddad. "Acho que Lula tinha que ficar no lugar dele". Para ele, Lula não deveria se expor muito, mas reconheceu como positivo seu governo.

De acordo com Grava, o recuo de Paulinho nas pesquisas de intenção de voto acontece porque o postulante é "pé no chão" e não faz "promessas mirabolantes". O candidato a vice ainda apontou o pequeno tempo na televisão como fator determinante. Desaprovando a liderança de Russomanno nas pesquisas, Grava alertou os eleitores a tomarem cuidado na hora de votar. "Esse que está em 1ª lugar nas pesquisas, é o povo de São Paulo que está escolhendo. São 4 anos e alguém vai ter que pagar".

Seguindo seu discurso de descrença na política, Grava falou que a Prefeitura hoje é um cabide de empregos e os políticos são mentirosos. "O povo de São Paulo acredita em mentiras". Concorrendo pela primeira vez em uma eleição, o candidato a vice afirmou que também é a última disputa que participa.

Com ironias sobre a situação da saúde, Grava falou que nome da Secretaria da Saúde é uma "piada" e deveria ser "Secretaria da Doença". Após criticar as promessas de Kassab, Grava disse que não construiria nenhum novo hospital e investiria nos que já existem. Grava, que é médico (trabalhava na equipe do Corinthians), falou que os políticos desconhecessem o que é preciso ser feito nos hospitais. "Não existe visão", afirmou.

Próximos entrevistados. Ainda nessa semana, serão recebidos na quarta-feira, 5, Marianne Pinotti, vice de Gabriel Chalita (PMDB); e na quinta-feira, 6, Edmilson Costa (PCB), vice de Carlos Giannazi (PSOL).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.