Viana reage e tenta derrubar articulação da oposição

O presidente interino do Senado, Tião Viana (PT-AC), convocou uma reunião de líderes para hoje de manhã, na qual tentará, se houver acordo, derrubar a articulação da oposição envolvendo a CPMF e o processo de cassação do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Viana foi avisado pelo próprio líder tucano na Casa, Arthur Virgílio (AM), da tentativa de adiar o caso Renan na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).O petista quer reunir a maioria dos partidos aliados e votar um parecer sobre a constitucionalidade de analisar o processo de Renan diretamente no plenário, sem passar pela CCJ. Para isso basta aprovar um requerimento em plenário. A cassação de Renan foi aprovada no conselho por 11 votos a 3. Viana quer votar o processo no plenário na quinta-feira. Para ele, a demora ?é ruim para o governo e prejudica a negociação da CPMF?.O relatório do senador Jefferson Péres (PDT-AM) pede a cassação do mandato de Renan, no processo que o acusa de uso de laranjas na compra de duas rádios e um jornal em Alagoas. Antes da decisão em plenário, porém, cabe à CCJ decidir se o pedido é constitucional.Diante da articulação da oposição, um líder da base avaliou que o Planalto perdeu para ela o comando da situação. Ao mesmo tempo em que Virgílio ajustava o cronograma com Marco Maciel (DEM-PE), presidente da CCJ, o ex-senador Jorge Bornhausen (DEM-SC) reunia-se com a relatora da CPMF, Kátia Abreu (DEM-TO), para fechar a contabilidade de votos contra a CPMF no plenário.?Temos hoje, seguros, 34 votos contra a CPMF?, disse Kátia. Com o apoio de 34 dos 81 senadores, a oposição vence, porque impede o governo de reunir o mínimo de 49 votos necessários para aprovar uma emenda constitucional. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.