Viana deve virar o ano na cadeira de Renan

Idéia de adiar sucessão é parte da estratégia de resguardar o PMDB de investida do PT pelo cargo e garantir clima favorável para aprovar CPMF

Christiane Samarco, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

26 Outubro 2007 | 00h00

O PT do senador Tião Viana (AC) deve passar o Natal e virar o ano à frente da presidência do Senado. Trabalham nesse sentido tanto o Planalto quanto os governistas do PMDB ligados ao presidente licenciado da Casa, Renan Calheiros (AL), e ao senador José Sarney (AP). Mas isso não significa que a cúpula peemedebista do Senado abriu mão da cadeira de presidente. A idéia de adiar a sucessão para 2008 é parte da estratégia de resguardar o PMDB de uma investida petista para tomar-lhe o comando do Congresso. O governo quer, na prática, evitar qualquer tumulto político que ponha em risco a aprovação da emenda que prorroga a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), uma empreitada que só terminará, na melhor das hipóteses, no fim deste ano. Essa espécie de "acordo de procedimentos" foi adotada diante da movimentação de Tião Viana e de setores do PT para efetivá-lo no cargo. Ficou decidido que Renan não renunciará à presidência do Senado, mesmo sabendo que não voltará a se sentar na cadeira de presidente - o objetivo é deixar claro ao PT que o cargo é da bancada peemedebista. Assim, Renan ganha força política para negociar a manutenção de seu mandato com os aliados do governo e com a oposição (PSDB e DEM) até o fim do ano, enquanto os senadores examinam as representações contra ele no Conselho de Ética. Traduzindo: o governo ganha tempo e tranqüilidade política para decidir a CPMF e Renan dá prazo ao colegiado para arrumar um jeito de preservar seu mandato. LICENÇA Para escapar dos quatro processos por quebra de decoro a que responde no Conselho de Ética, Renan pode renovar seu pedido de licença, que terminará em 25 de novembro. Segundo um aliado do senador , ele está buscando uma saída para deixar definitivamente o cargo. Embora a força de Renan resida na ameaça clara de voltar à presidência do Senado a qualquer instante, a idéia de ter o vice Tião Viana na cadeira de titular comandando a votação da CPMF agrada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele só veio a público dizer que o cargo de presidente do Senado é do PMDB para dar um recado direto ao PT: o Planalto não aceita nenhuma movimentação de petistas que possa tumultuar o ambiente político e dificultar a aprovação da CPMF. Ganhar tempo para eleger o sucessor de Renan tem serventia também para a bancada do PMDB do Senado, já que não há um candidato natural ao posto. O líder do partido, Valdir Raupp (RO), admitiu ontem que a sucessão de Renan está deflagrada dentro da sigla. Reafirmou, também, que não há mesmo um nome de consenso, mas citou os mais cotados: Neuto de Conto (SC), João Maranhão (PB) e Garibaldi Alves (RN). Sobre a possível saída de Hélio Costa do Ministério das Comunicações para retornar ao Senado e tentar assumir a presidência da Casa, o líder reconheceu que essa movimentação pode ocorrer. "Mas isso não garantiria que o Hélio seria o futuro presidente", advertiu. "Seria despir um santo (o ministério) para vestir outro." Quanto à vaga de presidente do Senado, Raupp foi taxativo: "Se abrirmos mão da vaga para um mandato tampão, depois vão querer que a gente abra mão totalmente." COLABOROU ANA PAULA SCINOCCA FRASES Valdir Raupp (RO) Líder do PMDB no Senado "Se abrirmos mão da vaga (de presidente) para um mandato tampão, depois vão querer que a gente abra mão totalmente" "(Sobre a hipótese de Hélio Costa tentar o cargo) seria despir um santo para vestir outro"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.