Viagra pode ajudar pós-operados da próstata, diz estudo

Um estudo clínico, conduzido pelo urologista Harin Padma-Nathan, da Universidade da Califórnia, apontou a possibilidade de prevenção e cura de problemas de ereção. A pesquisa mostrou que o Viagra pode beneficiar pacientes que se submeteram à retirada total da próstata, possibilitando o retorno espontâneo das ereções, informou o laboratório Pfizer, que desenvolveu a molécula ativa Sildenafil.Um grupo recebeu doses diárias de Viagra por nove meses e outro, placebo. Todos haviam sido submetidos à prostatectomia radical com preservação bilateral dos feixes nervosos. Os autores concluíram que a utilização do medicamento resultou em retorno das ereções em 27% dos pacientes, mesmo após a interrupção do tratamento. "Apesar do índice parecer pequeno, representa um avanço considerável, tanto pela falta de opção para esses pacientes, quanto pela possibilidade de que eles passem a ter ereções mesmo sem a medicação", afirma o diretor-médico da Pfizer, Valdair Pinto.Os casos pós-operatórios de próstata são considerados de difícil resposta, afirma o laboratório. Os resultados positivos do medicamento já foram verificados em mais de 130 estudos clínicos, que constam em cerca de 2 mil publicações científicas, o que o torna um dos produtos mais testados na história da indústria farmacêutica.Quanto aos concorrentes, a diretoria do Pfizer no Brasil ressalta que tanto o Levitra (Vardenafil), da Bayer/GlaxoSmithKline, quanto o Cialis (Tadalafil), do Eli Lilly, ainda não receberam a aprovação do FDA, agência reguladora americana. Os registros deverão ser concedidos até o final do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.