Via Campesina desocupa fazenda após acordo com governo

A Secretaria da Segurança Pública do Paraná informou nesta quarta-feira ter feito um acordo com a Via Campesina para que deixe pacificamente a fazenda da Syngenta Seeds, em Santa Tereza do Oeste, no oeste do Paraná. A fazenda foi invadida no dia 14 de março e nesta quarta venceu o prazo dado pela Justiça para que o governo do Estado retirasse os militantes do movimento, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. Segundo a secretaria, o que estava dificultando a saída era a chuva que caía na região.A invasão foi feita como protesto contra os experimentos com produtos transgênicos na fazenda. Segundo a Via Campesina, por estar dentro da área de 10 quilômetros do Parque Nacional do Iguaçu, a área é considerada como zona de amortecimento e não poderia cultivar produtos geneticamente modificados. Em razão disso, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) embargou os experimentos. Segundo a Syngenta, as atividades de pesquisa seguem as legislações vigentes e são realizadas com Certificado de Qualidade de Biossegurança, concedido pela CTNBio.De acordo com a secretaria, as negociações para a desocupação começaram na terça-feira com o comando do 6º. Batalhão da Polícia Militar de Cascavel, um oficial de Justiça e as lideranças do movimento. A secretaria informou que atualmente estão no local 300 agricultores. Uma das exigências deles é que possam colher os produtos que plantaram no período em que lá estão. A secretaria pretende instalá-los próximo à fazenda, às margens da rodovia PR-163. A assessoria da Syngenta, em São Paulo, disse não ter conseguido nenhum contato com a filial em Santa Tereza do Oeste para confirmar as informações. Dirigentes da Via Campesina no Paraná não foram encontrados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.