Vestidos para guerra, índios pedem manutenção da Raposa

Cerca de 300 indígenas protestam de forma pacífica pela demarcação contínua da reserva em Roraima

Loide Gomes, especial para O Estado de S. Paulo ,

27 de agosto de 2008 | 10h43

Pintados e vestidos para a guerra, cerca de 300 índios ligados ao Conselho Indígena de Roraima (CIR) protestaram nesta quarta-feira, 27, pela manutenção contínua da terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, antes do início do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF). A manifestação foi no centro da Vila Surumu, a 227 quilômetros de Boa Vista.     Veja também: A FAVOR: STF deve garantir direito dos índios, afirma Cimi CONTRA: Demarcação não é simples litígio de terras, diz governador Acompanhe o julgamento sobre a demarcação da Raposa Serra do Sol Especial sobre a disputa de terras indígenas  Entenda a sessão e relembre recentes decisões      Por telefone, o tuxaua José Brazão, ligado à Sociedade de Defesa dos Índios Unidos de Roraima (Sodiurr), informou que a manifestação foi pacífica. "Eles levavam faixas e diziam gritos de guerra", relatou.   Em Boa Vista, o clima é tranqüilo. Até agora, nenhuma manifestação foi registrada na cidade, mas a Polícia Militar permanece com todo seu efetivo de prontidão. "A tropa está aquartelada, pronta para agir", disse um PM responsável pela guarda do Palácio Hélio Campos, sede do executivo estadual, que está com acesso restrito. Somente funcionários e carros oficiais têm entrada permitida.

Tudo o que sabemos sobre:
Raposa Serra do SolJulgamentoSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.