Verticalização não vai evitar prévias do PMDB, diz Rigotto

O pré-candidato a Presidência da República pelo PMDB, o governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, negou que uma possível manutenção da verticalização pelo Supremo Tribunal Federal (STF) vá evitar a realização da prévia do partido, marcada para 19 de março, ou o lançamento de um candidato próprio da legenda. "A prévia é irreversível, e a realização da prévia com certeza vai significar uma candidatura própria", disse Rigotto, que participa de almoço com peemedebistas na capital paulista.O governador do Rio Grande do Sul ainda disse crer que o STF deve optar pela desverticalização, favorecendo assim as alianças regionais de seu partido. "Eu acredito que o STF vá manter a desverticalização. Não vejo lógica de que se inicie a reforma política pelo final", disse, reafirmando que "mantida ou não verticalização, as prévias acontecerão dia 19". Para Rigotto, a questão da candidatura própria não passa pelos interesses locais do PMDB, mas por uma necessidade de reafirmação da sigla no plano nacional. Segundo ele, a candidatura própria tem a ver com o PMDB recuperar sua identidade.Ala governistaO fraco desempenho de seu nome nas pesquisas de intenção de voto para presidente da República também não representa obstáculo, de acordo com o governador, que acredita numa recuperação de popularidade após o início efetivo da campanha eleitoral. "Existe um espaço enorme para nós termos um projeto alternativo ao PT e ao PSDB, que cresça por fora para chegar ao segundo turno", disse.Rigotto ainda descartou a possibilidade de uma ação coordenada pela ala governista do partido para impedir as prévias ou a solidificação de uma candidatura própria. Para ele, qualquer atitude neste sentido encontraria uma forte resistência na base partidária. O ex-governador de São Paulo Orestes Quércia (PMDB) reforçou as declarações de Rigotto. "Existe uma avaliação de que o fato de haver verticalização afeta os interesses dos candidatos a governador praticamente no País inteiro. Mas não tem dúvida que nós faremos a prévia e teremos candidato à Presidência da República", disse Quércia, que participa de um almoço de apoio à candidatura de Rigotto.Quércia admitiu que há de fato uma mobilização da ala governista da legenda para que se aborte a candidatura própria do partido. Segundo ele, uma medida judicial para impedir a prévia não teria viabilidade jurídica. "(A prévia) é fundamental ao fortalecimento do nosso partido e eu acho que isso é que vai prevalecer", ressaltou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.