Vereadores são presos por corrupção ativa em GO

Propina era usada para liberação de loteamentos irregulares em Anápolis; foram presos o presidente e o vice-presidente da Câmara de Vereadores da cidade

Rubens Santos, de O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2012 | 19h52

O presidente e o vice-presidente da Câmara de Vereadores de Anápolis (GO) foram detidos, nesta terça-feira, 7, por supostos recebimentos de propinas, em troca da aprovação de lei que liberou a expansão da área urbana e imobiliária do município, a 64 quilômetros de Goiânia (GO).

Na Operação La Plata, e sob acusação de desvio de verbas públicas, foram presos o presidente da Câmara, Amilton Batista de Faria (PTB), o vice-presidente Wesley Cleyton da Silva (PMDB), a mulher do peemedebista, Andréia Juliana Gonçalves Lima, e o chefe do seu gabinete na Câmara, Naasson Costa. Todos são acusados por corrupção ativa, peculato e diversos crimes ambientais.

A operação foi um trabalho conjunto de três promotorias de Justiça de Anápolis, mais a Polícia Militar (PM) e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado. E contabilizou o cumprimento de 12 mandados de prisão, cinco mandatos de condução coercitiva e 21 mandados de busca e apreensão.

Eles foram presos e detidos, com prazo de cinco dias, para prestar esclarecimentos, explicou o promotor de Justiça, Denis Bimbati, que investiga o caso há um ano. A propina era para liberação de loteamentos irregulares no município.

Na segunda cidade mais rica do Estado, os novos loteamentos surgiram e foram ocupados em velocidade exponencial nos últimos dois anos. O problema é que parte dessa expansão foi possível graças à invasão de áreas de preservação ambiental (APA). Numa dessas áreas, composta por mata ciliar do Córrego Água Fria, no Jardim Europa, foi construído um supermercado, sem a emissão de licenças prévias.

Tudo o que sabemos sobre:
vereadorespropinaAnápolis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.