Vereadores e dona de TV são presos em Sorriso-MT

O Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) de Mato Grosso prendeu na manhã de hoje o vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Sorriso, Francisco das Chagas Abrantes (PR), sua mulher e proprietária de uma emissora de televisão da cidade, Filomena Maria Alves do Nascimento Abrantes, e os vereadores Gerson Luiz Frâncio (PSB) e Roseana Marques de Amorim (PR). Os mandados de prisão foram expedidos pela juíza em substituição na Vara do Crime Organizado, Nilza Maria Carvalho.

FÁTIMA LESSA, Agência Estado

17 de junho de 2011 | 19h33

De acordo com as investigações e denúncia do Gaeco, o grupo é acusado de cobrar propina, nos valores que variam de R$ 50 a R$ 500 mil, do prefeito de Sorriso, Chicão Bedin, do secretário municipal de Indústria e Comércio, Santinho Augusto Salermo, e do procurador do município, Zilton Mariano de Almeida. O vereador Frâncio, segundo as investigações, seria o responsável pela intermediação nas negociações entre os poderes. A vereadora Roseana teria exigido, para votar a favor de projetos do Executivo municipal, um emprego para o namorado. Ao chegar em Cuiabá, presa, ela se declarou inocente e disse que quem não deve não teme.

As provas obtidas em escutas autorizadas mostram que os parlamentares ameaçavam reprovar as contas da prefeitura referentes ao exercício de 2009. O grupo ameaçava a administração com o argumento de que a Câmara instauraria uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar supostas irregularidades na destinação de verbas da prefeitura para a imprensa.

Ainda de acordo com as investigações, Chagas Abrantes e a mulher Filomena foram flagrados em gravações exigindo o repasse de verba mensal entre R$ 8 mil e R$ 10 mil para a emissora de televisão do casal. O acordo consistia em que os programas de televisão parassem de fazer críticas que desabonassem a imagem política do prefeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.