Vereador pede ao MP que afaste prefeito por corrupção

As denúncias de corrupção envolvendo o prefeito de São Sebastião, no Litoral Norte Paulista, Juan Garcia (PPS) levaram um vereador da cidade a pedir o afastamento do político. O parlamentar Marcos Aurélio Leopoldino dos Santos (PSDB), protocolou nesta terça-feira (14) no Ministério Público e na Procuradoria Geral do Estado, um pedido de afastamento do prefeito do município Juan Garcia (PPS) e dos secretários municipais Alberto Guilherme Carlini, chefe de governo e Thales Guilherme Carlini, secretário de obras, por improbidade administrativa. No município o pedido foi encaminhado ao promotor de Justiça Luiz Fernando Marques Guedes. Segundo o procurador do Legislativo, Samir Toledo Viana, o documento pede que o Ministério Público afaste "com urgência" do cargo os funcionários e o prefeito por suposto envolvimento em denúncias de corrupção e ações administrativas que serviriam a interesses particulares nos os últimos dois anos. "Inúmeras notícias publicadas em jornais de grande repercussão e em canais de TV e rádio apontam que a cidade pode estar sendo acometida de um mal quase insuperável, a possibilidade de poderoso esquema de corrupção comprometendo o município como um todo", informou o vereador. DenúnciasEntre as denúncias citadas no documento, segundo Leopoldino, está a readmissão do prefeito no cargo de médico do serviço municipal de saúde, depois de ter sido exonerado. "Há mais de um ano está nas mãos da Justiça e isso não se revolve", disse o vereador. Outra acusação seria o envolvimento do prefeito com vereadores que favoreciam empresas em troca de dinheiro. O esquema, chamado de "mensalinho", começava quando os vereadores indicavam algumas empresas e empreiteiras para realizar, sem licitação, obras públicas e recebiam depósitos em suas contas correntes. Os vereadores Carlos Augusto Senatori (PSDB) e Solange Rodrigues (PV) estariam envolvidos no esquema e receberiam R$15 mil por obra indicada. Eles negam as acusações. O suposto envolvimento mais recente do prefeito de São Sebastião, conforme apurado pelo Estado, foi o favorecimento ao Riviera Group, do empresário português Emídeo Mendes, que comprou dezenas de terrenos na costa norte de São Sebastião, área em que o Plano Diretor poderá ser mais permissivo em relação a construção de prédios. Foram 46 terrenos comprados pelo esquema milionário. Leopoldino também protocolou na Câmara um pedido de abertura de uma Comissão Especial de Inquérito para apurar as denúncias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.