SERGIO CASTRO
SERGIO CASTRO

Eduardo Suplicy bate recorde histórico de votos em São Paulo

Com 301,4 mil votos, ex-senador é o vereador mais votado na história da capital; Milton Leite fica em segundo lugar

ADRIANA FERRAZ e VITOR TAVARES, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 21h24
Atualizado 02 de outubro de 2016 | 23h22

O petista Eduardo Suplicy tornou-se neste domingo, 2, o vereador mais votado da história de São Paulo. Com 301.446 votos, superou José Eduardo Cardozo, ex-ministro e advogado da presidente Dilma Rousseff, que conseguiu 229 mil votos em 2000, e João Brasil Vita, que, em 1982, fez 215 mil. Na comparação com os demais eleitos, também ganha com larga vantagem. O segundo colocado, Milton Leite (DEM), que chega ao seu sexto mandato, teve 107.957 votos. 

Para o ex-senador e ex-secretário de Direitos Humanos da gestão Fernando Haddad (PT), o resultado coroa um trabalho de base feito nos últimos meses. “Fiz cerca de cem palestras em todas as regiões da cidade nesta campanha. Falei com as pessoas sobre minhas ideias de cidade e de justiça social. Os votos que recebi da população mostram que a aceitação é grande, o que me deixa muito feliz”, comemora.

Suplicy supera a eleição que alcançou em 1988, quando foi eleito vereador da capital pela primeira vez. Naquele ano, o petista havia alcançado 201 mil votos. Aos 75 anos, ele diz que ainda tem muita disposição para seguir na vida pública, mas, com o potencial eleitoral revelado neste domingo, não garantiu que cumprirá o mandato todo na Câmara. “Em princípio, fui eleito para estar lá os quatro anos, mas o que vai acontecer até 2018, quando tem outra eleição, ninguém sabe. O que posso dizer é que estou muito satisfeito com essa marca.”

Vice. Com 6,2 mil votos a mais que na eleição passada, de 2012, Leite se consolida como o “rei da zona sul”. Com reduto fiel nas regiões de M’Boi Mirim, Grajaú e Parelheiros, o parlamentar supera em votos concorrentes de peso, como a família Tatto, que elegeu mais uma vez Arselino e Jair.

A votação expressiva ainda o credencia como um nome forte para assumir a presidência da Câmara no ano que vem. “É muito cedo para falar disso, mas não descarto essa possibilidade. O resultado de hoje mostra que fizemos um bom trabalho ao longo dos últimos quatro anos. Vamos agora pensar na cidade”, afirmou Leite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.