Vereador faz exorcismo na Câmara de Pelotas

Roberto Insaurriaga explicou que estava desfazendo um trabalho de magia negra contra os vereadores

Elder Ogliari, de O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2008 | 19h14

O vereador Cláudio Roberto dos Santos Insaurriaga (PV), conhecido como Cururu, transformou uma reunião em plenário da Câmara de Pelotas, na zona sul do Rio Grande do Sul, numa sessão de exorcismo, nesta terça-feira, 22. Vestido com uma túnica branca, com uma coroa de espinhos na cabeça e um crucifixo no peito, o parlamentar explicou que estava desfazendo um trabalho de magia negra contra os vereadores depois de se aconselhar com especialistas no assunto. O "trabalho" referido por Cururu foi a aparição de um pequeno caixão preto com sete bonecos em seu interior, cinco dos quais com fotos de vereadores, e todos espetados com alfinetes, na quinta-feira passada, no porão do prédio da Câmara. Segundo o parlamentar, foi necessário retirar os alfinetes para libertar os vereadores e cortar a cabeça dos dois bonecos sem fotos porque eles representam os autores, ainda desconhecidos, do "trabalho", que, assim, ficou neutralizado. "Estou protestando contra quem usa a religião para fazer maldade", proclamou Cururu, que se apresenta como cantor e ator e já foi "capinador do quintal dos outros, vendedor de pastel e rapadurinha, padeiro, pedreiro, vendedor ambulante e restaurador de móveis antigos". Surpresos, os demais vereadores não concordaram com a manifestação e suspenderam a sessão até que Cururu terminasse seu exorcismo. Ivan Duarte (PT), anunciou que vai avaliar se o regimento permite um pedido de cassação do colega por falta de decoro. Se for apresentada, a proposta precisa conseguir dez dos 15 votos para ser aprovada.

Mais conteúdo sobre:
CâmaraexorcismoPelotas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.