Vereador é indiciado por assassinato de índio no Acre

A Polícia Federal indiciou overeador Auton Farias (PFL), da cidade de Jordão (680 quilômetros de Rio Branco), pelo assassinato de um índio emagosto do ano passado no seringal Oriente, distante cerca de 100quilômetros da cidade, na reserva indígena do Alto Tarauacá.Farias e dois companheiros, segundo 14 testemunhas, perseguiram,castraram e executaram o índio encontrado pelo grupo por acasodurante uma caçada no seringal. Na época, o superintendente da Fundação Nacional doÍndio (Funai), Antônio Pereira Neto, informou que umainvestigação preliminar havia apontado os colonos José Lourençoda Silva, o "Trubaldo" e Francisco Alves de Morais, "o Chicodo Maranhoto", como autores dos disparos de espingarda do tipocartucheira que mataram o índio. A castração teria sido feitapelo vereador Farias, irmão do prefeito de Jordão, TurianoFarias. Pouco mais de um ano depois, a PF confirmou os nomes deoutros dois envolvidos, os agricultores Dézio Oliveira,Francisco Sampaio da Silva.O corpo do índio foi encontrado próximo ao rio d´Oro.Laudo do Instituto Médico Legal (IML) indentificou o corpo comosendo de uma pessoa do sexo masculino com idade entre 25 e 30anos, levando marcas de perfuração a chumbo na cabeça. Nãolocalizou, entretanto, sinais da castração "devido ao avançadoestado de decomposição". Trubaldo desapareceu de Jordão desdeque a PF começou a investigar o caso. Segundo testemunhas, Autone seus amigos se depararam de repente com um grupo de cerca dedez índios, que saíram correndo. Os caçadores escolheram umcomeçaram a persegui-lo.O processo será enviado amanhã ou depois para a JustiçaFederal. O delegado Celso Mantovani realizou semana passada asúltimas diligências em Jordão para concluir o inquérito,iniciado com uma apuração informal da Funai a partir de relatosde moradores. Na época, o superintendente Pereira Neto chegou adivulgar que seriam três o número de mortos. "O que houve láfoi uma caçada aos índios arredios", disse Pereira ao saber daconclusão do inquérito. Em junho deste ano, a Funai e o Governodo Acre firmaram acordo para instalação do posto indígena doAlto Tarauacá, com área de mais de 14 mil hectares para protegeruma população de cerca de 600 índios isolados, possivelmente deduas etnias diferentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.