Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Vereador do PSDB é agredido em protesto em Curitiba

Ele foi o único político presente na manifestação e foi hostilizado após ser identificado; segundo PM 40 mil foram às ruas na capital

Julio Cesar Lima, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

12 Abril 2015 | 19h49

Curitiba - O vereador Professor Galdino (PSDB) foi agredido durante as manifestações em Curitiba, na tarde de domingo, 12. A manifestação, que reuniu 40 mil pessoas (50% menos que na manifestação anterior) segundo a PM, não contou com políticos e Galdino foi identificado pelos manifestantes, que chegaram a pedir sua saída do manifesto por meio do carro de som, mas antes que ele tomasse alguma atitude foi agredido. Ele não identificou seus agressores, mas lavrou um Boletim de Ocorrência e foi liberado.

Além desse caso, a Polícia Militar não registrou outros incidentes. Organizado por diversos grupos por meio das redes sociais, o movimento Direita Curitiba tinha seu próprio carro de som e pedia aos manifestantes que tirassem os partidos de esquerda do poder. "Não queremos mais partidos de esquerda, fora Comunistas!", bradavam.

Apesar do discurso anti-esquerda, eles pediram para que um pequeno grupo que carregava uma faixa pedindo intervenção militar saísse da área da manifestação. "Queremos, sim, uma intervenção civil", diziam.

Para a manifestante Aparecida Almeida, o maior problema do governo tem sido a corrupção. "Não queremos mais isso, eu fui às ruas contra o Collor, fui cara pintada e agora eu quero que esse roubo que acontece acabe", concluiu.

No Estado, a Polícia Militar divulgou os números de manifestantes nas maiores regiões: Maringá, seis mil pessoas, Londrina, cinco mil, Paranavaí, 500; Foz do Iguaçu, 1.200 pessoas. 

Mais conteúdo sobre:
protestosDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.