Vereador de SP tem telefones grampeados

A Assesoria Militar da Câmara Municipal descobriu, ontem, que os telefones do presidente da Casa, vereador José Eduardo Martins Cardozo (PT) estavam grampeados. O grampo foi detectado por acaso, na casa do vereador, que fica em um condomínio fechado no Morumbi, zona sul. Segundo o petista, a operação pode ter relação com as medidas administrativas que estão em curso na Câmara, como a reforma administrativa e as cinco Comissões Parlamantares de Inquérito (CPIs) que estão em andamento. "Desde a época da CPI da Máfia havia muitas ameaças", afirmou o parlamentar, que presidiu a CPI que investigou uma ampla rede de corrupção na administração municipal, em 1999. Apesar de ter suspeitos, Cardozo não revelou nomes. "Deve ser obra de inimigos políticos ou pessoas que tiveram seus interesses atingidos com as reformas que estamos realizando", disse o vereador, que registrou boletim de ocorrência com a própria Assessoria Militar. Entre as medidas tomadas pela Mesa Diretora e aprovadas em plenário, está o corte de verbas para pagamento de salários para os 55 gabinetes dos vereadores. Segundo Cardozo, o grampo foi descoberto nas duas linhas que possui em casa, a partir de um problema com o detector de chamadas instalado na residência. Desconfiado de que as linhas estavam grampeadas, um dos responsáveis pela segurança da presidência que estava no local fez uma varredura e encontrou os dois aparelhos de grampo na caixa de telefones do condomínio. O caso está sendo investigado pela polícia. Há cerca de um mês e meio, a assessoria militar já tinha feito uma varredura nos telefones de Cardozo, mas nada foi encontrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.