Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Verba única de até R$ 30 mil será discutida na Mesa da Câmara

Proposta foi apresentada pela comissão criada após o escândalo da farra das passagens e pode vigorar este ano

Andréia Sadi, do estadao.com.br

15 de maio de 2009 | 13h55

A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados vai se reunir na próxima segunda-feira, 18, para discutir a unificação das verbas parlamentares, que propõe uma cota de R$ 25 mil a R$ 30 mil para deputados. O valor é a soma de salário, verba indenizatória e demais benefícios a que os deputados têm direito.Segundo o estadao.com.br apurou, a ideia foi proposta em reunião ontem à noite, pela comissão criada após o escândalo da farra das passagens. O presidente da Casa, Michel Temer (PMDB-SP), esteve presente, mas ainda não "bateu o martelo" sobre a proposta que será levada para análise de outros líderes partidários.

 

Veja Também:

especial Cronologia do escândalo das passagens no Congresso

especialQuanto custam os parlamentares

 

Atualmente, além do salário de R$ 16,5 mil, os deputados contam com a verba indenizatória de R$ 15 mil, as cotas postais e telefônicas de R$ 4,2 mil e a passagens aéreas de acordo com seus respectivos Estados. Com a cota única, a verba pode superar, inclusive, o salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), hoje de R$ 24.500.

 

Os deputados também têm direito a R$ 60 mil para despesas com contratações de funcionários, a chamada verba de gabinete.

 

O grupo foi criado no dia 29 de abril para apresentar sugestões de reforma administrativa para disciplinar pagamentos aos quais os deputados têm direito como verba indenizatória, cotas de correio, telefônica e de impressos e o auxílio-moradia.

 

No mês passado, vários deputados e senadores foram alvo das denúncias desde o início do mês. O caso mais comum é o do parlamentar que dá sua cota de passagem a parentes, amigos, namorada etc. A Câmara encerrou  a discussão sobre a ‘farra das passagens’, com um

ato administrativo que tornou as regras mais rígidas.  

 

A comissão é coordenada pelo primeiro-secretário da Casa, odeputado Rafael Guerra (PSDB-MG), que, segundo a sua assessoria,  só dará mais detalhes sobre o projeto após a sua aprovação. Além de Guerra, compõem a comissão os deputados Marco Maia (PT-RS), Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), Inocêncio Oliveira (PR-PE), Odair Cunha (PT-MG) e Nelson Marquezelli (PTB-SP) e pelos servidores Sérgio Sampaio, Rômulo de Souza Mesquita, Evandro Lopes Costa e Marcos Vasconcellos, ainda de acordo com a Agência Câmara. O deputado Rafael Guerra (PSDB-MG) é o coordenador.

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.