Venda e anúncio de massageador são proibidos

A Vigilância Sanitária proibiu a venda e propaganda de aparelhos massageadores e cremes redutores de gorduras anunciados diariamente na televisão. São marcas conhecidas, porém sem registro junto ao Ministério da Saúde. A proibição é resultado de denúncias de consumidores à Vigilância Sanitária. Entre muitas, destacou-se a da Associação de Cardiologistas de Santos. Para o grupo, os choques elétricos emitidos pelo massageador podem ocasionar arritmia cardíaca e, em situações extremas, provocar a morte. A decisão é de âmbito nacional e está publicada na edição de hoje do Diário Oficial do Estado, atendendo à recomendação do Ministério da Saúde.O massageador é um cinturão abdominal (pode também ser usado em outras partes do corpo) que emite descargas elétricas. Segundo a publicidade do fabricante, em uso conjunto com o gel, o aparelho permite exercitar toda a musculatura corporal. Em dez minutos de uso, seria capaz de provocar três mil contrações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.