Venda de ioiô de silicone é proibida

Por causa do risco de estrangulamento, o Inmetro proibiu a venda no Brasil de um ioiô feito de silicone. Em uma extremidade do material elástico em forma de cordão o brinquedo traz uma bola cheia de líquido - água ou gel. Na outra, um anel para prendê-lo ao dedo. Estes produtos causaram acidentes na França e Inglaterra. Nenhum fatal. O novo brinquedo permitia que a criança o rodasse por cima da cabeça. "As crianças estavam fazendo uso abusivo do brinquedo", diz a assessora da diretoria do Inmetro, Marcia Barros.O silicone funciona como elástico, que estica e depois contrai podendo transformar-se em uma forca. Nos relatos sobre os casos, enviados ao Inmetro por um órgão francês consta que uma criança perdeu temporariamente a consciência. Outra ficou com marcas de estrangulamento, com vasos do pescoço rompidos. O relatório conta que dois adultos precisaram intervir para desenrolar o fio do pescoço da criança francesa.O brinquedo entrou no mercado brasileiro há cerca de três meses e pode ser comprado a R$ 2,00 nos camelôs. O Brasil chegou a dar o certificado a um dos importadores. Mas depois de receber relatório dos franceses e de comprovar que o brinquedo poderia provocar enforcamentos, o Inmetro decidiu proibir a certificação, importação e comercialização. A portaria publicada hoje no Diário Oficial prevê ainda o recolhimento imediato das mercadorias. Mas a assessora Marcia Barros prevê dificuldades nesta operação porque 90% desses ioiôs estão sendo vendidos em camelôs, de difícil fiscalização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.