Marcos Arcoverde / Estadão
Marcos Arcoverde / Estadão

Vem pra Rua pede saída de Gilmar Mendes do STF em protesto no Rio

Ministro do STF foi o principal alvo do protesto 'Circuito dos Corruptos', que também pretende percorrer pontos da capital carioca onde vivem políticos

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2017 | 11h18

RIO - Manifestantes do movimento Vem Pra Rua fazem uma manifestação na orla da Praia de Copacabana, zona sul do Rio, na manhã deste domingo, 27, na altura do posto 5. Vestidos de amarelo e verde e com bandeiras do Brasil, eles protestam principalmente contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que soltou envolvidos na Lava Jato no Estado.

Eles gritam "Fora, Gilmar" e também pedem mais celeridade da presidente do STF, Carmen Lucia, para julgar os pedidos de suspeição de Mendes. Alguns também levam bonecos do juiz federal Sérgio Moro e usam camisas com fotos dos procuradores da Lava Jato.

O protesto, que recebeu o nome de "Circuito dos Corruptos", pretende percorrer a casa da ex-presidente Dilma Rousseff, em Copacabana, de Aecio Neves, em Ipanema, do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), no Leblon, e do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), no mesmo bairro.

Pesquisa diulgada pelo Estado neste domingo revelou que a onda de rejeição à classe política alcança também ministros do Supremo.

Solturas. Na última semana, Gilmar determinou a soltura de três investigados da Operação Ponto Final - desdobramento da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro -, entre eles o  ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Detro-RJ), Rogério Onofre de Oliveira. Neste sábado, Onofre se entregou à Justiça.

Onofre teria recebido pelo menos R$ 44 milhões no esquema de corrupção no setor de transporte do Rio, de acordo com as investigações da Força Tarefa da Lava Jato no Rio. O ministro também decidiu soltar a mulher do investigado, Dayse Deborah Alexandra Neves, e o policial aposentado David Augusto da Câmara Sampaio, acusado de fazer parte do esquema do governador Sérgio Cabral.

Os três foram presos no âmbito da Operação Ponto Final, desdobramento da Lava Jato, que desbaratou a máfia atuante no setor de transportes no Rio. Segundo a força-tarefa, o esquema foi responsável pelo pagamento de mais de R$ 260 milhões de propina a políticos e agentes públicos. Com a decisão, chegou a nove o número de libertados pelo ministro Gilmar Mendes na Operação Ponto Final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.