Vem aí o Uprima, mais rápido do que o Viagra

O 6º Congresso Latino-Americano sobre Impotência começou nesta quarta-feira, no Hotel Sheraton, no Rio, com a apresentação de um novo medicamento oral para o combate à disfunção erétil, o Uprima, produzido pelo Abbott Laboratories.Num terreno ainda dominado pelo Viagra, o Abbott promete oferecer uma droga de ação mais rápida e com menos efeitos colaterais. Nesta quinta-feira e na sexta, a Bayer e a Lilly ICOS apresentam suas novidades na área, o Vardennafil e o Cialis, respectivamente.Até agora, o Uprima só foi aprovado para uso na Europa. A previsão é de que chegue ao mercado latino-americano ainda em 2001. Um pedido de aprovação no Food and Drug Administration (FDA), para liberação nos EUA, está em preparo. O preço do medicamento ainda não foi definido, mas deve ser compatível ao do Viagra. Seus fabricantes garantem que ele funciona em nove de cada dez casos.Os números sobre a impotência assustam. Estudos apontam que a metade dos homens na faixa dos 40 anos de idade apresentam disfunções sexuais. A estimativa mundial é de que o número de pacientes que sofrem desse mal cresça dos 152 milhões registrados em 1995 para 322 milhões em 2025. E o crescimento deve acontecer principalmente nos países do Terceiro Mundo.De acordo com o médico brasileiro Sidney Glina, presidente da Sociedade Internacional de Pesquisa sobre Sexo e Impotência, os principais fatores de risco são o envelhecimento, a falta de educação formal e circunstâncias sócio-econômicas desfavoráveis, como o desemprego.A velhice traz doenças relacionadas com a impotência, como a diabetes e a hipertensão. A falta de estudos e a ignorância sobre a saúde sexual também influenciam. O terceiro aspecto engloba ansiedade e problemas emocionais.O professor Jeremy Heaton, da Universidade de Queen, no Canadá, explica que o novo medicamento não é um "afrodisíaco" e só funciona aliado a estímulos sexuais.Desenvolvido ao longo de 11 anos, com mais de 120 mil doses administradas em mais de cinco mil pessoas, o Uprima tem como princípio ativo a apomorfina, substância semelhante à dopamina, responsável por ativar a área cerebral que regula a pressão sangüínea do pênis.Diferentemente do Viagra, que atua sobre os vasos sangüíneos do órgão sexual, o Uprima age no cérebro e no sistema nervoso central.Enquanto o Viagra leva 60 minutos para causar efeito, o Uprima possibilita ereções, em média, 20 minutos depois de colocado sob a língua do paciente e não requer jejum prévio ou posterior.Enquanto o Viagra só deve ser usado uma vez a cada 24 horas, o Uprima pode ser tomado a cada oito horas, ou seja, três vezes ao dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.