Celso Junior/Estadão Conteúdo
Celso Junior/Estadão Conteúdo

Veja como funciona a urna eletrônica no Brasil e em outros países

Brasil foi pioneiro no uso da tecnologia; modelos em outras democracias usam voto impresso associado ao equipamento

Iuri Pitta, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2015 | 11h25

São Paulo - O Congresso derrubou nesta quarta-feira, 18, o veto da presidente Dilma Rousseff ao voto impresso associado ao uso da urna eletrônica. Com isso, passa a valer o texto aprovado por deputados e senadores, pelo qual o voto digitado no equipamento eletrônico será registrado em papel e depositado em local lacrado, sem contato manual do eleitor, para que possa ser eventualmente usado em auditoria e contraprova do resultado da votação.

O veto de Dilma à medida tinha como justificativa o custo alegado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para se adaptar à nova regra: R$ 1,8 bilhão. O Executivo também alegou que não havia estimativa do impacto orçamentário da impressão do voto digitado eletronicamente.

A adoção do registro impresso do voto eletrônico já é praxe em outros países. Embora o Brasil tenha sido pioneiro no uso da urna eletrônica, adotada pela primeira vez em 1996, o TSE sempre usou o mesmo tipo de equipamento, chamado de primeira geração. Veja abaixo outros modelos de voto eletrônico usados pelo mundo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.