Veja as declarações de Jarbas Vasconcelos e a reação do PMDB

Em entrevista à revista Veja desta semana, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) disse que o PMDB é "um partido sem bandeiras, sem propostas, sem norte" e boa parte dos filiados "quer mesmo é corrupção". O partido, chamado de "a grande noiva de 2010", se fortaleceu ainda mais após dominar o comando da Câmara e do Senado.   O senador atacou diretamente o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), classificando sua eleição para a presidência do Senado como "completo retrocesso". Segundo Jarbas, Sarney não tem compromissos éticos: "A moralização e a inovação do Senado são incompatíveis com a figura do senador."   A entrevista causou desconforto em várias áreas do partido. Jarbas classificou o PMDB como "uma confederação de líderes regionais, cada um com seu interesse, sendo que 90% deles praticam o clientelismo, de olho principalmente nos cargos."   Uma das estrelas mais tradicionais do PMDB, o também senador Pedro Simon (RS) concordou com tudo o que foi dito por Jarbas à revista. Mas fez uma ressalva: "Acontecem essas mesmas coisas com os outros partidos, PT, PSDB, DEM, PPS e PTB. Estamos em uma geleia geral."   Em nota, a Executiva Nacional do PMDB decidiu não polemizar com o senador. Considera que as declarações de Jarbas foram um desabafo ao qual o PMDB "não dará maior relevo".   PMDB, o governo e 2010   O PMDB, maior partido do País, tem uma situação privilegiada para negociar a composição das coligações partidárias das eleições de 2010. E ganhou ainda mais força ao vencer a disputa pelo comando da Câmara e do Senado, com Michel Temer (SP) e José Sarney (AP), respectivamente.   Além do controle das duas Casas, onde possui uma bancada de 20 senadores e 94 deputados, o poder do PMDB vai além. A sigla comanda seis ministérios: Comunicações, Integração Nacional, Saúde, Agricultura, Defesa e Minas e Energia.   O partido também é campeão em ramificações, o que é considerado estratégico para quem pretende ter palanques em todo o Brasil nas campanhas eleitorais. Nas eleições municipais de 2008, o PMDB conquistou o melhor resultado entre os partidos políticos, com vitórias em 1.308 prefeituras, sendo seis capitais. A legenda elegeu ainda 8.308 vereadores. Tem também o maior número de governadores, em sete Estados.   Quem é Jarbas Vasconcelos   Não é a primeira vez que Jarbas Vasconcelos, ex-governador de Pernambuco, ataca seu partido. A diferença dessa vez é que mirou de forma mais direta a corrupção e a estratégia de se manter no poder a qualquer preço. Jarbas governou o Estado por dois mandatos consecutivos (1998 e 2002) e renunciou em março de 2006 para disputar uma cadeira no Senado, para a qual foi eleito.     Em 1985, Jarbas elegeu-se Prefeito do Recife, nas primeiras eleições diretas para o cargo após o regime militar. Também foi presidente nacional da legenda em 1989, ano das eleições presidenciais. Militante histórico da legenda, sua ascensão ao posto se deu em razão da candidatura de Ulysses Guimarães ao Palácio do Planalto.   Em 1992, Jarbas foi eleito para o seu segundo mandato como Prefeito do Recife, derrotando nomes como os de Eduardo Campos - hoje governador de Pernambuco - neto e herdeiro político de Miguel Arraes.   Jarbas é apontado como a grande liderança política de Pernambuco após a morte de Arraes em 2005, mas seu grupo político perdeu força nas últimas eleições. Mendonça Filho, que assumiu o governo em seu lugar, perdeu a eleição para Eduardo Campos, em 2006. Em 2000, perdeu a Prefeitura do Recife.   (Com Reuters)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.