Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Veja alguns dos principais trabalhos do fotógrafo Dida Sampaio

Alvo de agressão durante protesto no domingo, Dida registrou imagens que lhe renderam dois prêmios Esso e três Vladimir Herzog

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2020 | 19h52

Um dos mais destacados repórteres-fotográficos da atualidade, Dida Sampaio, da sucursal do Estado em Brasília, fez imagens de histórias do poder e momentos impactantes vividos pelos brasileiros nas mais remotas regiões do País. Vencedor de dois prêmios Esso e três Vladimir Herzog, ele congelou movimentos de índios, ribeirinhos, presidentes eleitos do pós-ditadura e lideranças internacionais, como Nelson Mandela, João Paulo II, Bill Clinton e Barack Obama.

Em busca do melhor ângulo e de histórias, o profissional percorreu aldeias indígenas e garimpos da Amazônia e povoados sertanejos do Nordeste. Fotografou áreas desmatadas da floresta e municípios castigados pelas estiagens no semiárido. A cada clique, um registro contundente da diversidade do Brasil, da política e da democracia.

Do exato ponto da Praça dos Três Poderes em frente ao Palácio do Planalto onde foi agredido por bolsonaristas no último domingo, ele já captou as tradicionais subidas pela rampa dos presidentes eleitos - Fernando Collor (1990), Fernando Henrique (1995 e 1999), Luiz Inácio Lula da Silva (2003 e 2007), Dilma Rousseff (2011 e 2015) e Jair Bolsonaro (2019) - e de visitantes internacionais, como Bill Clinton (1997), Nelson Mandela (1998),  papa João Paulo II (1991) e Barak Obama (2011). O repórter fazia a cobertura de uma manifestação convocada pelos aliados do presidente Jair Bolsonaro quando levou chutes, murros e empurrões. As agressões motivaram notas de repúdio de ministros do Supremo, do Congresso, de partidos políticos e das Forças Armadas. O presidente Bolsonaro disse que, “se ocorreram” ele não viu.

1. LAVA JATO

Dilma Rousseff pedala nas proximidades de um Lava Jato, em Brasília, em 2015. A imagem rendeu o Prêmio Esso de Fotografia. Veja no Acervo Estadão.

 

2. CRIANÇA CORUBO

A foto foi feita numa aldeia na margem do Rio Ituí, no Vale do Javari, no Amazonas, em 2015. A imagem ilustrou o especial multimídia Favela Amazônia, reconhecido pelos Prêmios Esso Regional Sudeste e Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, em naquele ano. Leia o especial.

 

3. SOMBRA DO PODER

No escândalo do painel de votação, a ex-servidora do Senado Regina Borges acusou o então senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) de  pedir a lista sigilosa dos parlamentares que votaram no processo de cassação de Luiz Estevão. Dida Sampaio registrou o momento da acareação, no Conselho de Ética, no dia 3 de maio de 2001, em que Regina aparece com a sombra de ACM ao fundo. A fotografia que ilustrou a pressão do senador, foi finalista do Prêmio Esso daquele ano. Veja no Acervo Estadão.

 

4. INSTINTOS PRIMITIVOS

No dia 2 de agosto de 2005. Dida Sampaio conseguiu o ângulo em que aparecem na mesma imagem o deputado José Dirceu (PT-SP) e seu algoz, o deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), na sessão do Conselho de Ética da Câmara que ouvia o depoimento do petista sobre o caso do mensalão, na Câmara. “Tenho medo de Vossa Excelência, porque Vossa Excelência provoca em mim os instintos mais primitivos”, disse Jefferson a Dirceu na ocasião. A foto foi finalista do Prêmio Esso. Veja no Acervo Estadão.

 

5. MILÍCIA LEGALIZADA

O repórter-fotográfico flagrou a atuação de empresas de segurança contratadas por fazendeiros em uma região de disputa de terra no sudeste paraense, em 2016. As fotos ilustraram o especial Terra Bruta, vencedor dos prêmios Jornalismo Investigativo Latino-Americano, do Instituto Prensa y Sociedade (Ipys) e da Transparência Internacional (2º lugar), Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, Grande Prêmio Petrobrás de Jornalismo e Dom Hélder Câmara de Imprensa. Leia o especial.

 

6. VAQUEIROS DO SERTÃO

Em 2017, Dida Sampaio percorreu municípios da Bahia, do Distrito Federal, de Goiás e de Minas Gerais para mostrar a realidade da região que inspirou o clássico Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. O especial Novas Veredas ganhou o Prêmio Petrobrás de Jornalismo, categoria Cultura. Leia o especial.

 

7. FHC NO VATICANO

Em fevereiro de 1997, o presidente Fernando Henrique Cardoso visita o Papa João Paulo II no Vaticano. Ao longo de oito anos de governo tucano, Dida Sampaio cobriu a rotina no Palácio do Planalto e as viagens nacionais e internacionais do presidente, da posse, em janeiro de 1995, à entrega da faixa para Luiz Inácio Lula da Silva em janeiro de 2003. Veja no Acervo Estadão.

 

8. NA TENDA DE KADAFI

Nos dois mandatos, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva bateu recorde de viagens presidenciais. Uma das mais polêmicas ocorreu em dezembro de 2003, quando ele visitou o ditador da Líbia, Muammar Kadafi. O registro do encontro dos dois presidentes ocorreu numa tenda luxuosa do coronel líbio dentro de um complexo de segurança. Veja no Acervo Estadão.

 

9. LULA REELEITO

A 2 de janeiro de 2007, Dida fotografa o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o vice José Alencar, reeleitos, subindo a rampa do Planalto, na cerimônia de posse. Veja no Acervo Estadão.

 

10. CHAMA OLÍMPICA

Às vésperas do impeachment, a presidente Dilma Rousseff participou de uma cerimônia para acender uma pira das Olimpíadas, do Rio de Janeiro, na rampa do Palácio do Planalto, a 3 de maio de 2016. Considerada um retrato de fim de governo pelos críticos da presidente e de um drama da primeira mulher a chegar ao poder do País pelos apoiadores dela. Veja no Acervo Estadão.

 

11. PISCADINHA

Dida congelou o momento em que Alexandre Moraes, indicado pelo presidente Michel Temer ao Supremo Tribunal Federal, pisca para Edison Lobão (MDB-MA), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Era fevereiro de 2017. O senador presidiu a sessão que terminou na aprovação do nome de Moraes à Corte. Leia a reportagem.

 

12.  BOLSONARO NA PRESIDÊNCIA

Em outubro, o presidente Jair Bolsonaro recebeu uma equipe do Estado, no Palácio do Planalto, para uma entrevista. Ele ainda abriu o Alvorada, residência oficial, para uma sessão de fotos. Leia o especial.

 

13. BRASÍLIA, 60 ANOS

No aniversário da capital federal, o repórter-fotográfico percorreu lugares históricos e navegou de drone pelos pontos mais movimentados da cidade para mostrar novos ângulos da cidade. Leia o especial.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Dida Sampaiofotografiajornalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.