NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Veja a repercussão do julgamento de Lula

Julgamento do ex-presidente Lula gerou reações de políticos adversários e apoiadores

Diego Ortiz, O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2018 | 18h11

Após o julgamento e condenação de 9 anos e 6 meses de prisão do ex-presidente Lula pelo juiz Ségio Moro, teve início nesta quarta-feira, 24, o julgamento de sua pena por três desembergadores da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), Gebran Neto, relator do caso, Leandro Paulsen e Victor dos Santos Laus. 

Acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá, Lula começou o dia já com um voto positivo à sua condenação, feito pelo desembargador Gebran, que ainda aumentou sua pena para 12 anos e um mês de prisão. Além do voto, o jurista criticou a forma como o julgamento foi tratado por aliados petistas e setores da opinião pública. Os outros dois desembargadores seguiram o relator e condenaram Lula por 3x0. 

Acompanhado com grande interesse, também, pela imprensa mundial (o jornal Financial Times afirmou que o "Brasil ficará grudado à televisão" e New York Times, El País e Clarin noticiaram o caso), o julgamento de Lula teve início às 8h40, com a leitura do relatório do processo. Dezenas de manifestantes a favor e contra o ex-presidente já estavam no local desde cedo, com direito até à exibição do "Pixuleco", boneco inflável que representa Lula feito pelos movimento MBL e Vem para a Rua. 

Considerado pelo PT o vice ideal caso Lula saia elegível do final do processo, o empresário Josué Christiano Gomes da Silva foi um dos primeiros a se manifestar, reiterando que "é preciso preservar o legado econômico e social das gestões do petista". Por falar em eleição, caso a decisão dos desembargadores não fosse unânime, o julgamento poderia ser considerado não concluído e Lula não seria enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Esta informação foi dada pelo advogado especialista em direito eleitoral, Alberto Rollo, em entrevista à Rádio Eldorado, mas acabou não se confirmando.

Para o presidente Michel Temer, que está no Fórum Econômico Mundial, em Davos, "a vida está normal no Brasil", mesmo diante do importante julgamento de Lula. Já o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi às redes sociais dizer que "a decisão cabe à Justiça. Ninguém está acima da lei e não se pode escolher adversário. O brasileiro sabe bem a crise que viveu graças à irresponsabilidade dos governos do PT".

Ás 11h30, Lula discursou no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Ele se disse tranquilo porque não cometeu nenhum crime. "Criaram muitas mentiras sobre mim e Dilma e o povo pareceu anestesiado. Querem acabar com os bancos públicos para o governo não fazer política de Estado". O jogador Diego Maradona também confia no discurso do petista e postou nas redes sociais: Lula querido, Diego está contigo!

A presidente do PT, Gleisi Hoffman (PR), disse logo após o primeiro voto de Gebran que se esse quadro de condenação se confirmar, os desembargadores "estarão rasgando a Constituição". No mesmo instante, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) reagiu nas redes sociais dizendo que "falta pouco", se referindo à condenação de Lula.  Logo após a condenação, postou que o "Brasil deu um tiro de .50 na corrupção".

Ainda no embate contra e favor de Lula, Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, afirmou que "o Brasil aguarda a sentença definitiva de Lula". E criticou a ex-presidente Dilma, dizendo que a única palavra no repertório dela é golpe. O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias, por sua vez, bradou que a condenação de Lula seria "uma vingança nua e crua. Tudo se justifica pelo desejo de desmoralizar a esquerda e destruir seus símbolos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.