Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Veja a íntegra do documento da Secom que aponta erros do governo

Texto interno ao qual o 'Estado' teve acesso fala em 'comunicação errática' durante o segundo mandato da presidente e também da atuação de robôs de PT e PSDB nas redes sociais

O Estado de S.Paulo, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2015 | 17h53

Clique aqui para ver a íntegra do documento, abaixo os principais pontos:

PROTESTOS DO DIA 15



"Não há dúvidas de que a comunicação foi errada e errática. Mas a crise é maior do que isso. As forças políticas que elegeram Lula e Dilma são minoritárias nas redes socais desde os movimentos de 2013"

MUDA MAIS

"A partir de novembro, as redes sociais pró-Dilma foram murchando até serem quase extintas. Principal vetor de propagação do projeto dilmista nas redes, o site Muda Mais acabou. Os robôs que atuaram na campanha foram desligados"


"A ausência de agendas públicas da presidenta da eleição ao carnaval, a mudança nas regras do seguro desemprego e pensão por morte, o desastrado anúncio de cortes do Fies, o aumento nos preços da gasolina e energia elétrica e o massacre nas TVs com as denúncias de corrupção na Petrobrás geraram entre os dilmistas um sentimento de 'abandono' e 'traição'".



JEAN WYLLYS (PSOL-RJ)


"As páginas dos deputados e senadores do PT pararam de defender o governo. Hoje, por exemplo, a página do deputado Jean Wyllys, do PSOL, tem um peso na defesa do governo maior que quase toda a bancada federal".



DILMA BOLADA 



"É sintomático que a principal página do Facebook pró-Dilma não oficial, a Dilma Bolada, começou a perder fãs em fevereiro, o que pode significar uma situação de quebra de imagem"


"O governo e o PT passaram a só falar para si mesmo. A tática do PSDB foi exatamente a oposta. Cerca de 50 robôs usados na campanha de Aécio continuaram a operar mesmo depois da derrota de outubro. Isso significou um fluxo contínuo de material anti-Dilma, alimentando os aecistas.




REVOLTADOS ON LINE

"A partir do final de janeiro, as páginas mais radicais contra o governo passaram a trabalhar com invejável profissionalismo, com uso de robôs e redes de Whatsapp. Desde janeiro, a página no Facebook do grupo Revoltados ON LINE teve o engajamento de 16 milhões de pessoas nos últimos três meses. O Vem Pra Rua chegou a 4 milhões. Para comparar: no mesmo período as páginas do Facebook Dilma Rousseff e PT foram compartilhadas por 3 milhões de pessoas." 

"Em estimativas iniciais, a manutenção dos robôs do PSDB, a geração de conteúdo nos sites pró-impeachment e o pagamento pelo envio de Whatsapp significaram um gasto de quase R$ 10 milhões entre novembro e março. Deu resultado."

"Em fevereiro as mensagens/textos/vídeos oposicionistas conseguiram a capacidade de atingir 80 milhões de brasileiros. As páginas do Planalto mais as do PT, 22 milhões. Ou seja, se fosse uma partida de futebol estamos entrando em campo perdendo de 8 a 2"

"De um lado, Dilma e Lula são acusados pela corrupção na Petrobras e por todos os males que afetam o País. Do outro, a militância se sente acuada pelas acusações e desmotivada por não compreender o ajuste na economia. Não é uma goleada. É uma derrota por WO".




PROPOSTAS DE AÇÃO

"As ações das páginas do governo e das forças políticas que apoiam Dilma precisam ser muito melhor coordenadas e com missões claras (…). A guerrilha política precisa ter munição vinda de dentro do governo, mas ser disparada por soldados fora dele".



PRONUNCIAMENTO DO DIA 8 



"O pronunciamento de 8 de março foi extremamente criticado por ser longo e sem substância (...). O pedido de paciência foi o que mais irritou aqueles que um dia já apoiaram Dilma nas redes." 

JOÃO VACCARI NETO



"Não adianta falar que a inflação está sob controle quando o eleitor vê o preço da gasolina subir 20% de novembro para cá ou a sua conta de luz saltar em 33%. O dado oficial IPCA conta menos do que ele sente no bolso. Assim, como um senador tucano na lista da Lava Jato não altera o fato de que o grosso do escândalo ocorreu na gestão do PT." 


A entrevista presidencial desde dia 16 foi um excelente início (...) É preciso que a PR (presidente) fale mais, explique, se exponha mais, seja nos quebra-queixos pós-evento (entrevistas com jornalistas), seja respondendo ouvintes da Voz do Brasil (20 milhões de ouvintes), seja com a mídia tradicional (TV aberta, de preferência), seja com a volta das entrevistas por Facebook."



PANELAÇO



"Não importa quantos panelaços eles façam. É preciso consolidar o núcleo de comunicação estatal, juntando numa mesma coordenação a Voz do Brasil, as páginas de sites, twitter e Facebook de todos os ministérios, o Facebook da Dilma e a Agência Brasil." 



FERNANDO HADDAD



"A publicidade oficial em 2015 deve ser focada em São Paulo, reforçando as parcerias com a Prefeitura. Não há como recuperar a imagem do governo Dilma em São Paulo sem ajudar a levantar a popularidade do Haddad. Há uma relação direta entre um e outro." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.