Vedoin apresenta documentos que envolveriam senador tucano

O empresário Luiz Antônio Vedoin apresentou à Justiça Federal, em Cuiabá, documentos, gravações e fotos que envolvem supostamente o senador Antero Paes de Barros (PSDB) com a máfia dos sanguessugas.Nos documentos, Luiz afirma que seu pai, Darci Vedoin, foi ao gabinete do senador para acertar os detalhes da execução das emendas para quatro municípios (Denise, Mirassol D´Oeste, Nossa Senhora do Livramento e São José dos Quatro Marcos), e o pagamento de 10% como propinas de quatro emendas para a compra de ambulâncias, no valor de R$ 320 mil.Numa das fotos, aparecem o senador com o deputado Lino Rossi (PP), acusado de ser o campeão no recebimento de propina, no valor de R$ 3 milhões, em uma das ambulâncias. Em gravação feita por um equipamento da Planam, o ex-prefeito de Pontes e Lacerda, Nelson Miúra, agradece o ´empenho´ de Antero de Barros pela liberação de uma ambulância e recursos para aquele município. A petição será analisada pelo juiz substituto da terceira vara, César Bearsi. Os documentos serão entregues à CPI dos Sanguessugas.DefesaDe acordo com a denúncia, o deputado Lino Rossi, que desistiu de concorrer à reeleição, negociou recursos de bancada com os parlamentares Wellington Fagundes (PL), Pedro Henry (PP), Ricarte de Freitas (PTB) e com o senador tucano. "Eu não fiz nenhuma emenda. Nas emendas de bancada eu não posso precisar se eles (os deputados) aplicaram o dinheiro", justificou Antero. Ele negou o pagamento de propina.Segundo ele, Darci Vedoin, sócio de Luiz Vedoin na Planam, nega a sua ligação com a máfia dos sanguessugas. Paes de Barros diz estranhar a documentação, assim como as fotos tiradas em 2002.O senador nega vínculo com o empresário Luiz Vedoin e classifica de "leviana" as acusações, apesar da documentação em poder da Justiça. "Eu não apresentei emendas ao orçamento para beneficiar a Planam, não tive nenhuma reunião com diretores da empresa e nunca recebi nada da máfia das sanguessugas", enfatizou.Lino Rossi, que admite envolvimento com a família Vedoin, saiu em defesa do senador. "Nunca peguei dinheiro para dar ao Antero e nunca recebi nada por ele", disse Rossi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.