FELIPE RAU|AE
FELIPE RAU|AE

Vazamento explicado

Entende-se agora quão crucial foi a operação para vazar de dentro do Supremo Tribunal Federal os pedidos de prisão contra os caciques do PMDB e, assim, inviabilizar sua detenção. Se punisse Renan Calheiros, Romero Jucá e José Sarney liminarmente, o Supremo estaria validando a delação de Sergio Machado não apenas contra o trio gravado e contra Eduardo Cunha, mas contra os mais de 20 políticos de quem o ex-presidente da Transpetro afirma ter atendido pedidos para pagamento de propina. Entre eles – soube-se ontem –, o presidente interino, Michel Temer.

José Roberto de Toledo, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2016 | 03h00

Se o ministro Teori Zavascki cogitou atender a demanda do procurador Rodrigo Janot para prender algum dos três, essa hipótese evaporou assim que a história veio a público. Se não por outro motivo, porque os pedidos de busca e apreensão complementares às prisões se tornaram inócuos. Pode haver e há muito a buscar, mas não sobrou nada para apreender. Quem vazou fez um favor aos acusados. Certamente não foi o procurador. Tampouco Teori. Talvez tenha sido uma toga falante. Quem sabe?

Na Justiça, diz-se, ninguém é culpado antes de julgado. Mas na opinião pública passa-se de modo diferente. Valem as aparências. É nesse campo, antes dos tribunais, que o governo provisório estará jogando sua razão de ser nos próximos tempos. Em 30 dias, Temer e companhia pouco fizeram além de administrar expectativas para despertar o espírito animal do empresariado e, assim, reativar a economia. A inclusão do nome do presidente interino na delação de Machado é um dopante espiritual animalesco.

A narrativa recheada de detalhes que sai da boca do ex-presidente da estatal parece ser avalizada pelas frases reveladoras que ele gravou de Sarney, Jucá e Renan. Juntam-se numa história que, se não for verdadeira, é verossímil. Especialmente porque vai ao encontro da crença generalizada de que a maioria dos políticos faz qualquer negócio. Mais do que isso, empurra ainda mais para baixo as expectativas da população sobre um governo que se equilibra entre o desconhecimento e a baixa credibilidade.

Se as palavras de Machado atrapalham e muito o jogo dos interinos junto ao público e a quem toma decisões econômicas, elas reforçam, por outro lado, o espírito de corpo entre os políticos. Colocam, mais do que nunca, o partido de Temer, Renan e Jucá no mesmo barco do PSDB. Ou remam juntos, ou vão todos a pique. Embora petistas e comunistas também estejam contemplados nas delações, suas canoas já afundaram. Não têm para onde remar. 

Do ponto de vista da opinião pública, não basta aos atores da história contada por Machado negarem que tenham recebido dinheiro ilícito de empresas apresentadas pelo dirigente da Transpetro. Talvez valha para a Justiça, mas não para o eleitorado. O problema é anterior. É a conversa em si.

Afinal, o que levaria um político de qualquer partido a procurar o presidente de uma empresa estatal para pedir ajuda no financiamento de campanhas eleitorais? Ele não esperava que Machado tirasse o dinheiro do próprio bolso. Tampouco poderia contar com doações da estatal, que, como qualquer um sabe, é proibida de contribuir financeiramente com candidatos. 

A expectativa implícita nesse tipo de conversa é que Machado usasse sua influência junto a fornecedores da Transpetro para convencê-los a fazer doações para quem lhe pedia ajuda – como ele afirma ter feito. Mesmo que o dinheiro tenha sido doado pelo caixa oficial das campanhas, o simples ato configura tráfico de influência. Afinal, o pedido de um grande cliente é quase uma coação. Mesmo que isso possa vir a ser considerado legal nos tribunais, é ilegítimo porque é um abuso de poder.

Pode ser que o espírito de corpo dos políticos, ajudado por togas falantes, consiga abafar Machado e garanta a sobrevida do governo. Mas o risco é que seja como zumbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.