Vaticano revê processo que condenou Padre Cícero

O processo, iniciado há um século, que condenou Padre Cícero por falsos milagres, vai ser revisto pela Igreja Católica. O Vaticano decidiu reabrir a investigação sobre o padre que, para os nordestinos, já é cultuado como santo."Há expectativa para a sua beatificação ainda durante o período de papado de João Paulo II", informou nesta segunda-feira o assessor da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil do Ceará (CNBB-CE), Gilson Soares.De acordo com ele, já existe, no Crato, a 542 quilômetros de Fortaleza, uma equipe de historiadores pesquisando a vida de Padre Cícero.Padre Cícero Romão Batista foi escolhido neste ano, em pesquisa feita pela TV Verdes Mares em todos os municípios do Estado, o Cearense do Século.Ele nasceu em 24 de março de 1844. Em 1871 celebrou a primeira missa em Juazeiro do Norte. No ano seguinte, fixou residência em Juazeiro, onde se tornou o primeiro prefeito. Em março de 1889 teria acontecido o milagre da hóstia com sangue através da beata Maria de Araújo.Maria de Araújo era uma artesã que vivia em Juazeiro do Norte. Dominada pelo ardor da fé, tornara-se beata. Tinha transes muito agudos, a ponto de minar sangue de sua língua, que tingia de vermelho as hóstias que o Padre Cícero lhe colocava na boca.O fato ocorreu pela primeira vez na manhã de 6 de março de 1889 e se repetiu várias vezes.A Igreja resolveu suspender os votos de Padre Cícero, ameaçando-o de excomunhão por propagar o fato como milagre.Mesmo assim, o padre se tornou uma celebridade. Alguns biógrafos revelam que ele era capaz de passar 14 horas seguidas sentado no confessionário, ouvindo e orientando os que buscavam o consolo de sua absolvição e de seus conselhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.