Vasconcelos diz que Jereissati acelera saída de Serra

A decisão do governador do Ceará, Tasso Jereissati (PSDB), de sair, temporariamente, da disputa interna do partido para presidente precipitará o afastamento do ministro da Saúde, José Serra, do ministério, levando-o a antecipar e assumir a campanha eleitoral em busca de apoio e melhor desempenho nas pesquisas eleitorais.A avaliação é do governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB), que esteve, nesta terça-feira, com o presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG).Para Vasconcelos, a atitude de Jereissati só terá efeito se Serra deixar o governo para se dedicar à campanha. "O Ministério da Saúde não acrescenta nada a Serra, nem politicamente nem eleitoralmente", afirmou.Segundo ele, até março, o ministro da Saúde deveria escolher quatro ou cinco Estados importantes e reforçar a campanha. A interpretação de que a atitude do governador do Ceará forçará Serra a antecipar o lançamento da candidatura é unânime entre políticos do PMDB e do PFL.Entre os partidários do PFL, partido simpático à pré-candidatura de Jereissati, a constatação é de que ele adotou uma estratégia inteligente, ao lançar o desafio ao ministro, que ficou com a responsabilidade de tornar viável, eleitoralmente, a candidatura.Mas, na avaliação de políticos do PMDB, a exemplo de Vasconcelos, Jereissati teria assumido uma posição de risco, caso queira retomar a candidatura, se Serra não decolar nas pesquisas até março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.