Variável econômica explica popularidade de Lula, diz CNI

Segundo diretor da Confederação Nacional da Indústria população percebe que País passa bem por crise

Fabio Graner, da Agência Estado,

22 de setembro de 2009 | 14h03

O diretor de relações institucionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Marco Antônio Guarita, avaliou que a manutenção de índices elevados de popularidade do governo e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva está relacionada à percepção favorável da população em relação ao desempenho da economia brasileira, mesmo em meio à crise econômica internacional.  

 

Veja Também

linkAprovação ao presidente Lula se mantém estável, diz CNI/Ibope

linkSerra lidera cenários e Ciro já empata com Dilma, diz Ibope

linkDirceu afirma que Ciro é um problema maior para os tucanos

linkContido, Serra se diz satisfeito com pesquisa

linkPara Ciro, pesquisa reforça necessidade de duas candidaturas

Segundo ele, a população percebe que o País atravessa esse período de crise, que é vista como grave para a maioria, com um desempenho relativamente positivo, o que reforça "a variável econômica" como explicação para a sustentação da elevada popularidade do governo.

Além disso, Guarita destacou que a população está otimista com relação a indicadores econômicos, como inflação e desemprego, o que favorece o governo, e também diminuiu a percepção sobre a gravidade da crise. "A população está mais otimista sobre a capacidade do Brasil atravessar a crise", afirmou.

Em relação aos números das simulações para a sucessão do presidente Lula em 2010, Guarita disse que é cedo para dizer que há alguma tendência, apesar da alta das intenções de voto para o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) e da queda da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), nas simulações que não contam com a candidatura Marina Silva e que permitem comparação com a pesquisa de junho.

Segundo ele, as candidaturas ainda não foram formalizadas, falta pouco mais de um ano para as eleições e há pouca margem de comparação para se falar em tendências eleitorais agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.