Vargas recorrerá contra decisão pela cassação

A defesa do deputado André Vargas (sem partido-PR) vai recorrer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara contra a decisão desta quarta-feira do Conselho de Ética, que aprovou a cassação do mandato do parlamentar. "O que houve aqui hoje foi um golpe", disse o advogado do deputado, Michel Saliba, por meio de nota à imprensa.

SANDRA MANFRINI E RICARDO DELLA COLETTA, Estadão Conteúdo

20 de agosto de 2014 | 19h41

Saliba refere-se à substituição e indicação de membros do Conselho de Ética depois do início da sessão do colegiado. A defesa de Vargas questiona as indicações e afirma que os novos integrantes do Conselho de Ética não tiveram tempo para conhecer o teor do relatório que pediu a cassação do parlamentar.

Para o advogado, a punição "foi exagerada e houve desrespeito ao devido processo legal nas investigações conduzidas pelo conselho". A avaliação de Saliba é que a decisão sobre a perda do mandato foi desproporcional, uma vez que, em outras investigações, motivadas por razões mais graves, houve apenas a decisão pela pena de suspensão.

Saliba avalia ainda que houve violação ao princípio da ampla defesa e atropelamento dos prazos regimentais. "As testemunhas foram ouvidas sem que a defesa tivesse acesso aos documentos vindos do Supremo Tribunal Federal. E o deputado teve seu pedido de oitiva recusado pelo conselho, fatos que comprometem a constitucionalidade de todo o processo", afirma em nota.

Para Vargas, o processo foi conduzido com "açodamento e politização excessiva". "Todo o processo foi conduzindo sem quórum e de forma autoritária, sem permitir o livre exercício da minha defesa", acrescentou o deputado. "A instrução é nula e procuraremos demonstrar isto na CCJ e no Judiciário. Testemunhas chave não foram ouvidas e nem mesmo eu fui ouvido." Para ser confirmada, a perda de mandato de Vargas ainda precisa ser votada pelo plenário da Câmara. Parlamentares, no entanto, consideram improvável que isso aconteça antes das eleições.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.