'Vamos reagir', diz Guerra após arquivamento de ações

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), disse que não foi surpresa a decisão do presidente do Conselho de Ética, senador Paulo Duque (PMDB-RJ), de arquivar as primeiras quatro das 11 ações contra o presidente do Senado, José Sarney(PMDB-AP). "Essa ação de não acatar era previsível. Vamos reagir e reagir bem", afirmou. Guerra antecipou que os partidos que querem a investigação no Conselho de Ética vão se reunir amanhã cedo para discutir alternativas. Segundo ele, serão usados todos os mecanismos possíveis para permitir a apuração das denúncias.

DENISE MADUEÑO, Agencia Estado

05 de agosto de 2009 | 20h25

Foram arquivadas uma representação que acusava Sarney pela edição de atos secretos do Senado; uma referente à Fundação José Sarney, especificamente sobre a suspeita de a instituição ter desviado pelo menos R$ 500 mil do patrocínio de R$ 1,3 milhão da Petrobras para empresas fantasmas e empresas da família do presidente do Senado; uma acusação de quebra de decoro parlamentar por Sarney ter mentido sobre sua participação na direção da Fundação José Sarney; e a denúncia de que teria beneficiado o neto José Adriano Sarney, em operações de crédito consignado de funcionários da Casa. Também foi arquivada uma representação do PSOL contra o ex-presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL), pela edição de atos secretos.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoSarneyConselho de Ética

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.