FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

‘Vamos buscar a unidade do campo progressista’, diz Freixo

Deputado federal eleito afirma que PSOL não pode atuar isolado e admite que, caso eleito, pretende dialogar com governo Bolsonaro

Entrevista com

Marcelo Freixo (PSOL-RJ), deputado federal eleito e candidato à presidência da Casa

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2019 | 05h00

BRASÍLIA - Eleito pela primeira vez para a Câmara, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) é candidato à Presidência da Casa com o objetivo de unificar a esquerda. “Vamos buscar a unidade do campo progressista no Congresso o tempo todo”, afirmou ele em entrevista ao Estadão/Broadcast. Para o parlamentar, o PSOL não deve atuar isolado e vai buscar construir blocos com os demais partidos com os quais têm afinidade. Caso eleito, ele diz que irá dialogar como governo de Bolsonaro com autonomia, “como todos os Poderes devem ser”. Abaixo, os principais trechos da entrevista:

Esse é o seu primeiro mandato como deputado federal. Por que resolveu se candidatar à Presidência da Casa?

Essa foi uma decisão da bancada do PSOL. A legenda entendeu que era o nome que poderia ajudar a buscar uma unidade do campo da esquerda, progressista, na defesa da democracia e no combate da desigualdade.

Como deve ser a atuação do PSOL nessa nova Câmara que chega com uma configuração bem diferente da legislatura 

anterior?

É difícil de prever o que será, porque foge muito das características que tínhamos algum domínio de análise. Há uma nova configuração política de setores mais ligados ao fanatismo do que a qualquer outra concepção política. O que não é bom para a democracia. Eu tenho um profundo respeito pelo pensamento conservador, mas o fanatismo, seja ele qual for, na política é sempre historicamente prejudicial. 

E como deve se dar o diálogo entre a oposição e esse grupo?

Primeiro, a oposição precisa estar unida e essa unidade do campo progressista vai precisar estar dialogar com as ruas, com os movimentos sociais que serão duramente atingidos por essa concepção de governo que não tem nenhuma responsabilidade com o enfrentamento da desigualdade social. 

O PSOL tem uma série de divergências com o novo governo. Como seria o seu relacionamento como presidente da Câmara e o Executivo?

Com autonomia. A independência dos Três Poderes nunca foi tão importante. Como presidente, quero formar um grupo grande de deputados, não apenas de esquerda, comprometidos com a democracia, resgatando a essência da Constituição de 1988 no que diz respeito ao combate da desigualdade social. Isso é decisivo e fundamental. 

Com quem o PSOL deve se unir ou o partido pretende atuar sozinho?

Não temos nenhuma intenção de atuar sozinho, queremos dialogar amplamente com o setor progressista. Por nós estaremos juntos com PT, PDT, PCdoB, PSB e Rede. 

Qual é posição do sr. em relação à Reforma da Previdência?

Essa ou nenhuma outra pode ampliar a desigualdade social no Brasil que já é um grande problema. Todos andam questionando o crime de Brumadinho e a Vale deve mesmo ser punida, mas deve ter um questionamento sobre o modelo de desenvolvimento e econômico, isso não se sustenta. 

O que o sr. pensa sobre o aumento de salário dos deputados e questões como o auxílio-mudança?

Não é hora para isso. Acho que isso não pode ser pauta prioritária para qualquer deputado. O auxílio-mudança deveria ser apenas para quem se muda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.