UARLEN VALÉRIO/O TEMPO
UARLEN VALÉRIO/O TEMPO

Valério se casou na prisão, afirma advogado

Condenado no mensalão cumpre pena de 37 anos em Sete Lagoas (MG), onde foi realizada a cerimônia, na sexta-feira

Leonardo Augusto, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2018 | 03h00

BELO HORIZONTE - Marcos Valério Fernandes de Souza, de 58 anos, se casou na sexta-feira, 26, com a baiana Aline Couto Chaves, de 25 anos, em um presídio em Sete Lagoas (MG), na região metropolitana de Belo Horizonte. A união foi confirmada pela defesa do condenado no mensalão. Após um ano de espera, a cerimônia foi realizada na Associação de Proteção e Amparo aos Condenados (Apac), onde atualmente Valério cumpre pena de 37 anos e 5 meses de prisão.

O casal já se relacionava desde 2013, no período em que o ex-sócio das agências SMPB e DNA – já separado, mas não oficialmente, de sua primeira mulher, Renilda Santiago –, morava em uma fazenda no município de Caetanópolis, na região central de Minas. Na época, Renilda e Aline protagonizaram uma disputa pela posse da Fazenda Santa Clara, que se transformou em caso de polícia.

O escândalo de compra de votos no Congresso durante o primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva expôs também o matrimônio de Valério. Num dos capítulos do mensalão, Renilda, bastante abalada emocionalmente, prestou um longo depoimento na CPI dos Correios.

Valério passou a se relacionar com a jovem Aline depois de ser condenado – a maior pena do mensalão. O casamento havia sido previsto inicialmente para dezembro de 2016 porque o divórcio com Renilda saiu em outubro daquele ano, conforme o advogado de Valério, Jean Kobayashi.

A cerimônia na Apac ocorreu com a presença de parentes do noivo e da noiva. Da parte de Valério, compareceram a filha, o genro e o neto. Representantes de um cartório de Sete Lagoas foram até a associação e realizaram o casamento. “Foi muito simples”, disse Kobayashi.

O atraso na data do casamento ocorreu porque Valério queria estar em um estabelecimento em melhores condições para a cerimônia. Ele cumpria pena na Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem (MG), desde 2014. Em julho do ano passado, foi transferido para a Apac de Sete Lagoas. Ao contrário das penitenciárias, nas Apacs os condenados não usam uniforme e, em parte dos casos, ficam com as chaves das celas. Os seguranças não trabalham armados.

Valério tenta há dois anos firmar um acordo de delação premiada com a Lava Jato, mas sem sucesso. 

Mais conteúdo sobre:
Marcos Valério

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.