Valério acusa Luiz Marinho de beneficiar BMG

O prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Luiz Marinho, foi apontado por Marcos Valério como o intermediário para a edição da medida provisória que beneficiou o banco BMG com a exclusividade da exploração de crédito consignado no início do governo Lula. A operação fez o lucro do banco crescer 205%, conforme o MP. O BMG, que nega ter sido beneficiado, foi um dos bancos que financiaram o esquema do mensalão com empréstimos considerados fraudulentos pelo STF.

FELIPE RECONDO, FAUSTO MACEDO E ALANA RIZZO, Agência Estado

11 de dezembro de 2012 | 09h38

Valério afirma que Marinho negociou a medida provisória quando era presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), em 2003. A medida provisória se destinava aos empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). E permitia que os trabalhadores pudessem autorizar o desconto em folha dos valores referentes ao pagamento de empréstimos bancários. Por 90 dias, o BMG pôde explorar com exclusividade o mercado de crédito consignado. Conforme o Ministério Público, o BMG concedeu 1,4 milhão de empréstimos consignados no montante de R$ 3 bilhões. Esses dados de 2005, ressaltou o MP, transformaram o banco em líder no mercado de crédito consignado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãodepoimentoValérioMarinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.